Conectar-se
Os membros mais ativos do mês
1 Mensagem - 50%
1 Mensagem - 50%
Votação
Qual a técnica que você utiliza para ficar lúcido?
Teste de Realidade
45% / 15
Totem
15% / 5
Incubação
12% / 4
Gatilho
6% / 2
Gravador de Voz ou Sons Binaurais
6% / 2
Outros
15% / 5
Parceiros
 sonhos=
 sonhos=
 animes=

Compartilhe
Ver o tópico anteriorIr em baixoVer o tópico seguinte
avatar
Mensagens : 11
Pontos : 1896
Honra : 0
Data de inscrição : 01/09/2012
Idade : 22
Localização : Santa Rosa de Viterbo - SP
Sonhos Lúcidos :
0 / 9990 / 999
Sonhos Comuns :
0 / 9990 / 999
Ver perfil do usuário

Diário dos Sonhos do Jungler

em Qua Out 17, 2012 6:23 pm
:cat:  Bem-vindos ao meu diário virtual.  :cat:  
avatar
Mensagens : 11
Pontos : 1896
Honra : 0
Data de inscrição : 01/09/2012
Idade : 22
Localização : Santa Rosa de Viterbo - SP
Sonhos Lúcidos :
0 / 9990 / 999
Sonhos Comuns :
0 / 9990 / 999
Ver perfil do usuário

Re: Diário dos Sonhos do Jungler

em Sab Out 20, 2012 9:25 pm
Data: 20/10
Horário: 4:00(?) ~ 5:45(?)

Esse sonho é o resultado de um WILD sem sucesso lingua


O início do sonho não me recordo, mas lembro de algumas coisas que talvez se aproximem do início:


[...] Estava em uma casa (ou um prédio) e nessa casa, estava meu irmão, minha mãe e meu pai, talvez havia mais alguém, porém não me lembro. A iluminação dentro da casa estava escura e lá fora era à tarde, em torno de umas 3 ou 4 horas, com o sol batendo em cheio na casa (ou o prédio) e misturando o 'meio-escuro' com um tom amarelo alaranjado, que preencheu bem a casa. Fora a iluminação, o local parecia bem bagunçado, com cobertas, brinquedos e outras coisas espalhadas pelo chão.

[...] Eu estava na sala da casa, junto com meu irmão e minha mãe, e da sala, pela porta de um quarto ou um corredor, avistava meu pai deitado em um colchão(?) e um bocado de cobertas; e parecia estar dormindo. Em uma parte depois, perguntei à minha mãe para irmos à casa de uma tia minha, ela concordou(?).

[...]Estava saindo da casa com minha mãe, indo à casa da tia e durante o percurso, ainda estava à tarde com um uma luz amarelada. Estávamos descendo um tipo de rampa para automóveis em um prédio: Era um prédio de cor branca e, em toda sua volta essas rampas o contornava, por onde se passa os automóveis para estacionar no topo do prédio. Não passou nenhum carro enquanto minha mãe e eu descíamos.
Durante, lembrei do meu pai dormindo e aparentando estar doente; perguntei à minha mãe se ele estava doente. Ela disse que sim, que ele estava com alguma coisa com nome semelhante à 'sinusite'; ela disse algo como 'sisnite' ou ' siscisnite'. Ela explicou: ' É uma doença rara de pele, que não se pode sair no sol'. Perguntei se fazia tempo que ele tinha isso, e ela disse que sempre teve. Fiquei surpreso por nunca ter conhecimento daquilo antes.

Descemos e saímos do prédio, encaminhávamos agora em direção a um supermercado com uma faxada aparentemente branca também. Entramos e minha mãe seguiu outra direção e sumiu entre as prateleiras. Segui uma direção da primeira prateleira do supermercado, onde do meu lado esquerdo era a parede e o direito a primeira prateleira. Fui seguindo reto quando me deparei com um cercado cheio de coisas de limpeza, como vassouras, rodos etc.
Contornei o cercado e avistei um primo meu sentado em uma cerca de ferro de cor branca (semelhante do cercado das vassouras). Estava ele e mais alguém que não notei, ou que não lembro quem era. Aproximei dele, cumprimentei e sentei no chão com as pernas cruzadas, e fiquei conversando com ele; mas não demorou muito tempo, apareceu outros dois primos meus e sentaram ao meu lado da mesma forma que eu sentei.


Conversando com eles, de repente meus óculos escuros caem do rosto e pousam nas pernas. Tentei recolocá-lo, mas não deu certo: uma das 'pernas' do óculos quebrou :suspect:. No hora, me levantei e fui procurar minha mãe. Entrei na varanda da casa da minha tia, onde havia a porta da cozinha. Durante a procura, haviam muitas pessoas dentro da casa, nos cômodos. O chão também estava bagunçado (parecia que houve uma festa no local e que havia acabado :lol:.)
Quando encontrei ela, avisei-a do fato do óculos. Ela disse que meu pai ia ficar muito brabo :pale:, pois os óculos era dele. Minha mãe foi andando pelos cômodos e eu atrás seguindo e me justificando para amenizar a encrenca: 'Mas eu não fiz nada hein, ele quebrou sozinho, o óculos está podre".

Na mesma varanda por onde passei antes, agora, estava cheia de coisas malucas e interessantes: havia armadilhas, alçapões para humanos, chãos falsos etc, paredes de madeira, outras de folhagens revestidas. Pelas armadilhas etc, o local parecia um campo de treinamento. Todas as armadilhas e mecanismos do local estavam desativados, assim, percorri tranquilamente o local. Cheguei na entrada do corredor da varanda, por onde passei antes para encontrar minha mãe, e agora, não havia mais uma parede aberta, que conectava com o local por onde encontrei os primos ; mas agora, havia uma parede com folhagens. O teto era bem longe, bem no alto, onde lá em cima, havia algumas portas coladas na parede, onde davam em outros lugares.



Olhando para o teto, notei que havia alguns seres estranhos flutuando mais acima. Parecia umas água-vivas misturadas com anjos, pois havia um canto coral. Eu queria entrar em um porta lá em cima, notei um ventinho fraco que saia do chão próximo aos meus pés e subia; experimentei bater os braços (igual galinha assustada :lol:) para flutuar até lá em cima. E pra minha alegria, funcionou! Ia flutuando devagar, passava pelas águas-vivas angelicais com coros, pelas folhagens na parede e um certo frio, até chegar na porta desejada. Quando entrei, minha mãe e minhas tias estavam lá dentro.

[...] Saí pela porta na qual entrei e desci flutuando devagar. Não havia mais águas-vivas angelicais(??). Lá em baixo, notei que o sistema de segurança estava ativado, resultando que, agora, as armadilhas, os alçapões etc, estavam ativadas. Estava eu e uns amigos meus: eram os brinquedos que gostava de brincar quando mais criança. Fui avançando com cautela; notei que havia uma luz vermelha acesa na parede de madeira, dizendo: 'ativado', ou 'On'. algo assim. Havia um botão ali para desativar, mas não apertei. Fui seguindo com meus amigos de plástico. Cheguei em um parte, onde um teto de madeira ficava caindo quando pisava num tipo de botão escondido no solo. Avisei meus amigos para passarem rápido, para que o teto não chegasse à tempo. Passei correndo e o teto não me esmagou, mas esmagou meus amigos brinquedos 🇳🇴. Depois de ter escapado, fiquei cutucando-os para checar se estavam quebrados.


Ver o tópico anteriorVoltar ao TopoVer o tópico seguinte
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum