Conectar-se
Os membros mais ativos do mês
3 Mensagens - 75%
1 Mensagem - 25%
Votação
Qual a técnica que você utiliza para ficar lúcido?
Teste de Realidade
45% / 15
Totem
15% / 5
Incubação
12% / 4
Gatilho
6% / 2
Gravador de Voz ou Sons Binaurais
6% / 2
Outros
15% / 5
Parceiros
 sonhos=
 sonhos=
 animes=

Compartilhe
Ver o tópico anteriorIr em baixoVer o tópico seguinte
avatar
Mensagens : 25
Pontos : 979
Honra : 5
Data de inscrição : 25/05/2015
Idade : 25
Localização : Itajubá - MG / Espírito Santo do Pinhal - SP
Sonhos Lúcidos :
2 / 9992 / 999
Sonhos Comuns :
2 / 9992 / 999
Ver perfil do usuário

Diário dos Sonhos Lúcidos de B21Munhoz

em Qua Nov 11, 2015 4:11 am
Reputação da mensagem: 100% (1 votos)
Olá pessoas.
Vou deixar aqui alguns relatos de minhas aventuras oníricas.
Estou começando a ter um ou outro SL agora. Tive 2 com um bom nível de lucidez e bem vívidos, e outros estranhos, onde eu sabia que estava sonhando mas não tinha total controle sobre minhas ações.

Esse relato é um caso onde não senti como se realmente controlasse minhas ações. Eu pensava em algo ou em fazer algo e já acontecia no sonho.
É tão estranho que nem consigo explicar direito hehe, mas se fosse para classificar de 0 a 10, meu nível de lucidez foi 2,5.
Basquete Onírico - 07/11/2015:

-> Me deitei as 3 da manhã e usei o celular pra mandar sons durante o sono. Não sei se ajudou em algo.

Estou em um estádio poliesportivo, um ambiente de coloração um pouco alaranjada e a luminosidade é de média para alta, como se iluminado por lâmpadas fracas.

Estou parado na quadra e participando de uma partida de basquete. Sou eu contra um grupo de jogadores maiores que eu.

Tento fazer alguns arremessos em direção a cesta, mas meus oponentes simplesmente aparecem no ponto certo para interceptar a bola.

Fiquei um pouco frustrado, mas, de repente, ganho um pouco de lucidez (um nível bem baixo, provavelmente). Percebo que posso controlar meu corpo de outras formas.

Primeiro arrisco um salto maior e, como mágica, consigo saltar a uns 2 metros de altura. Em seguida, crio um time composto de 4 eus e começo a dar pequenos teleportes para fazer passes. Por último, uso algo que já me aconteceu em sonhos não lúcidos anteriores: quando eu estava correndo nesses sonhos, com muita pressa, eu me jogava em direção ao chão e planava a 1 palmo mais ou menos da superfície, num movimento parecido com o de uma serpente, e por algum motivo, eu sei que quando faço isso, meu corpo se torna algum tipo de sombra.
Nota: Geralmente, tudo o que eu tento fazer de mais "sofisticado" num SL da errado, ou tem efeitos estranhos... Quando tentei fazer minha mão atravessar uma parede, eu criei uma mão de uma velha do outro lado da parede. Quando tentei me teleportar, criei um clone meu. Talvez, pelo fato de não estar totalmente no comando, as coisas aconteceram com mais fluidez e com o resultado esperado (eu acho).


Coisas que recomendo / ferramentas que uso:

Diretamente Ligado aos Sonhos
- Livro - Sonhos Lúcidos: Um Guia para Dominar a Arte de Controlar seus Sonhos, por Dylan Tuccillo, Jared Zeizel e Thomas Peisel. Bom livro para iniciantes e também para sonhadores avançados. Possui explicações de várias técnicas e instruções de como tentar fazer algumas coisas dentro dos SLs.

- Aplicativo Gratuito - Awoken. Possui: alarme para reality checks, som de totem, dream clues e um diário de sonhos legalzinho.

Indiretamente Ligado aos Sonhos
- Livro - Chi Kung: Para a saúde e vitalidade, por Wong Kiew Kit. A meditação é algo que me ajuda a lembrar dos sonhos com uma intensidade mais vívida.
avatar
Mensagens : 646
Pontos : 2491
Honra : 310
Data de inscrição : 20/10/2013
Idade : 28
Sonhos Lúcidos :
38 / 99938 / 999
Sonhos Comuns :
999 / 999999 / 999
Ver perfil do usuário

Re: Diário dos Sonhos Lúcidos de B21Munhoz

em Qua Nov 11, 2015 11:52 am
Joga RPG? Esta foto no perfil é sua?


CORES DOS MEUS RELATOS:

  • Analise ou pensamento/observação.
  • Dialogo, titulo
  • Descrição de um cenário/objeto/pessoa.
  • Realidade ou fato importante.

Orvalho do sonhar:
Fantasiar me conforta
Deslumbrado a imaginar
Sera que e so eu?
Ou alguem se importa?


para nao se desesperar
Sucumbir em expectativas
pois se nao suprir
Posso pelo menos sonhar

Sair desse lugar imundo
Fingir que nao e isso
Tornar tudo intenso
Criar o próprio mundo


Injetar alegria
Olhar fixo para o nada
Rir sozinho
Ate o final do dia


Sentir a liberdade ao voar
Observar o próprio reflexo
E fechar os olhos
Para voltar a sonhar

(Hiriu)
avatar
Mensagens : 1273
Pontos : 3337
Honra : 657
Data de inscrição : 06/07/2015
Localização : Alemanha
Sonhos Lúcidos :
222 / 999222 / 999
Sonhos Comuns :
999 / 999999 / 999
Ver perfil do usuário

Re: Diário dos Sonhos Lúcidos de B21Munhoz

em Qua Nov 11, 2015 8:32 pm
B21Munhoz escreveu:Estou em um estádio poliesportivo, um ambiente de coloração um pouco alaranjada e a luminosidade é de média para alta, como se iluminado por lâmpadas fracas.

Essa iluminação alaranjada eu já percebi em vários sonhos que eu tive. É como se houvesse um eterno crepúsculo. Eu nunca entendi porque isso ocorre. surpreso
avatar
Mensagens : 41
Pontos : 1069
Honra : 24
Data de inscrição : 23/02/2015
Idade : 26
Localização : Mogi Guaçu/SP
Sonhos Lúcidos :
0 / 9990 / 999
Sonhos Comuns :
9 / 9999 / 999
Ver perfil do usuário

Re: Diário dos Sonhos Lúcidos de B21Munhoz

em Qua Nov 11, 2015 10:10 pm
Da hora esse jogo ein Binga!


“Não me encerro nos limites de uma cidade: onde quer que me encontre, sou um estrangeiro”.
                                                                                   - Aristipo de Cirene
avatar
Mensagens : 25
Pontos : 979
Honra : 5
Data de inscrição : 25/05/2015
Idade : 25
Localização : Itajubá - MG / Espírito Santo do Pinhal - SP
Sonhos Lúcidos :
2 / 9992 / 999
Sonhos Comuns :
2 / 9992 / 999
Ver perfil do usuário

Re: Diário dos Sonhos Lúcidos de B21Munhoz

em Qua Nov 11, 2015 10:57 pm
Hiriu escreveu:Joga RPG? Esta foto no perfil é sua?
Jogo sim. Ou tento né, quando da pra reunir a galera hehe.
Sou eu sim, fui desse jeito no Jantar Medieval desse ano.


Coisas que recomendo / ferramentas que uso:

Diretamente Ligado aos Sonhos
- Livro - Sonhos Lúcidos: Um Guia para Dominar a Arte de Controlar seus Sonhos, por Dylan Tuccillo, Jared Zeizel e Thomas Peisel. Bom livro para iniciantes e também para sonhadores avançados. Possui explicações de várias técnicas e instruções de como tentar fazer algumas coisas dentro dos SLs.

- Aplicativo Gratuito - Awoken. Possui: alarme para reality checks, som de totem, dream clues e um diário de sonhos legalzinho.

Indiretamente Ligado aos Sonhos
- Livro - Chi Kung: Para a saúde e vitalidade, por Wong Kiew Kit. A meditação é algo que me ajuda a lembrar dos sonhos com uma intensidade mais vívida.
avatar
Mensagens : 25
Pontos : 979
Honra : 5
Data de inscrição : 25/05/2015
Idade : 25
Localização : Itajubá - MG / Espírito Santo do Pinhal - SP
Sonhos Lúcidos :
2 / 9992 / 999
Sonhos Comuns :
2 / 9992 / 999
Ver perfil do usuário

Re: Diário dos Sonhos Lúcidos de B21Munhoz

em Qua Nov 11, 2015 11:01 pm
Königin:
Königin escreveu:
B21Munhoz escreveu:Estou em um estádio poliesportivo, um ambiente de coloração um pouco alaranjada e a luminosidade é de média para alta, como se iluminado por lâmpadas fracas.

Essa iluminação alaranjada eu já percebi em vários sonhos que eu tive. É como se houvesse um eterno crepúsculo. Eu nunca entendi porque isso ocorre.  surpreso

Então, a iluminação e o ambiente nos meus sonhos são um tanto estranhos. O ar em volta parece numa espécie de neblina ou sombreado. Como se além dessa neblina ainda não tivesse nada criado e fosse sendo gerado conforme eu exploro.
Sei que preciso de mais experiências com SL.Tudo parece muito "travado".


Coisas que recomendo / ferramentas que uso:

Diretamente Ligado aos Sonhos
- Livro - Sonhos Lúcidos: Um Guia para Dominar a Arte de Controlar seus Sonhos, por Dylan Tuccillo, Jared Zeizel e Thomas Peisel. Bom livro para iniciantes e também para sonhadores avançados. Possui explicações de várias técnicas e instruções de como tentar fazer algumas coisas dentro dos SLs.

- Aplicativo Gratuito - Awoken. Possui: alarme para reality checks, som de totem, dream clues e um diário de sonhos legalzinho.

Indiretamente Ligado aos Sonhos
- Livro - Chi Kung: Para a saúde e vitalidade, por Wong Kiew Kit. A meditação é algo que me ajuda a lembrar dos sonhos com uma intensidade mais vívida.
Mensagens : 1017
Pontos : 3476
Honra : 749
Data de inscrição : 06/08/2013
Idade : 27
Localização : São Paulo/Santo André
Sonhos Lúcidos :
0 / 9990 / 999
Sonhos Comuns :
0 / 9990 / 999
Ver perfil do usuário

Re: Diário dos Sonhos Lúcidos de B21Munhoz

em Qui Nov 12, 2015 12:05 am
Experiência bem interessante Munhoz, seja bem vindo brother! viva
Gostei do estilo, apesar de como você mencionou sobre estar parcialmente lúcido, mas foi bem criativo os seus movimentos em particular. piscar
avatar
Mensagens : 25
Pontos : 979
Honra : 5
Data de inscrição : 25/05/2015
Idade : 25
Localização : Itajubá - MG / Espírito Santo do Pinhal - SP
Sonhos Lúcidos :
2 / 9992 / 999
Sonhos Comuns :
2 / 9992 / 999
Ver perfil do usuário

Re: Diário dos Sonhos Lúcidos de B21Munhoz

em Qui Nov 12, 2015 12:39 am
Reizen Endler escreveu:Experiência bem interessante Munhoz, seja bem vindo brother! viva
Gostei do estilo, apesar de como você mencionou sobre estar parcialmente lúcido, mas foi bem criativo os seus movimentos em particular. piscar
Vlw Reizen. É fruto de muitos livros, séries, filmes, jogos, RPGs, animes e por aí vai hehe


Coisas que recomendo / ferramentas que uso:

Diretamente Ligado aos Sonhos
- Livro - Sonhos Lúcidos: Um Guia para Dominar a Arte de Controlar seus Sonhos, por Dylan Tuccillo, Jared Zeizel e Thomas Peisel. Bom livro para iniciantes e também para sonhadores avançados. Possui explicações de várias técnicas e instruções de como tentar fazer algumas coisas dentro dos SLs.

- Aplicativo Gratuito - Awoken. Possui: alarme para reality checks, som de totem, dream clues e um diário de sonhos legalzinho.

Indiretamente Ligado aos Sonhos
- Livro - Chi Kung: Para a saúde e vitalidade, por Wong Kiew Kit. A meditação é algo que me ajuda a lembrar dos sonhos com uma intensidade mais vívida.
avatar
Mensagens : 646
Pontos : 2491
Honra : 310
Data de inscrição : 20/10/2013
Idade : 28
Sonhos Lúcidos :
38 / 99938 / 999
Sonhos Comuns :
999 / 999999 / 999
Ver perfil do usuário

Re: Diário dos Sonhos Lúcidos de B21Munhoz

em Qui Nov 12, 2015 2:26 am
B21Munhoz escreveu:
Hiriu escreveu:Joga RPG? Esta foto no perfil é sua?
Jogo sim. Ou tento né, quando da pra reunir a galera hehe.
Sou eu sim, fui desse jeito no Jantar Medieval desse ano.

Tenho vontade de participar. Creio que deva ajudar bastante com a criatividade sem falar da fiverão. gargalhada


CORES DOS MEUS RELATOS:

  • Analise ou pensamento/observação.
  • Dialogo, titulo
  • Descrição de um cenário/objeto/pessoa.
  • Realidade ou fato importante.

Orvalho do sonhar:
Fantasiar me conforta
Deslumbrado a imaginar
Sera que e so eu?
Ou alguem se importa?


para nao se desesperar
Sucumbir em expectativas
pois se nao suprir
Posso pelo menos sonhar

Sair desse lugar imundo
Fingir que nao e isso
Tornar tudo intenso
Criar o próprio mundo


Injetar alegria
Olhar fixo para o nada
Rir sozinho
Ate o final do dia


Sentir a liberdade ao voar
Observar o próprio reflexo
E fechar os olhos
Para voltar a sonhar

(Hiriu)
avatar
Mensagens : 2531
Pontos : 5703
Honra : 1044
Data de inscrição : 12/06/2013
Localização : Bahia
Sonhos Lúcidos :
0 / 9990 / 999
Sonhos Comuns :
0 / 9990 / 999
Ver perfil do usuário

Re: Diário dos Sonhos Lúcidos de B21Munhoz

em Qui Nov 19, 2015 5:06 pm
B21Munhoz escreveu:
B21Munhoz escreveu:Olá pessoas.
Vou deixar aqui alguns relatos de minhas aventuras oníricas.
Estou começando a ter um ou outro SL agora. Tive 2 com um bom nível de lucidez e bem vívidos, e outros estranhos, onde eu sabia que estava sonhando mas não tinha total controle sobre minhas ações.

Esse relato é um caso onde não senti como se realmente controlasse minhas ações. Eu pensava em algo ou em fazer algo e já acontecia no sonho.
É tão estranho que nem consigo explicar direito hehe, mas se fosse para classificar de 0 a 10, meu nível de lucidez foi 2,5.
Basquete Onírico - 07/11/2015:

-> Me deitei as 3 da manhã e usei o celular pra mandar sons durante o sono. Não sei se ajudou em algo.

Estou em um estádio poliesportivo, um ambiente de coloração um pouco alaranjada e a luminosidade é de média para alta, como se iluminado por lâmpadas fracas.

Estou parado na quadra e participando de uma partida de basquete. Sou eu contra um grupo de jogadores maiores que eu.

Tento fazer alguns arremessos em direção a cesta, mas meus oponentes simplesmente aparecem no ponto certo para interceptar a bola.

Fiquei um pouco frustrado, mas, de repente, ganho um pouco de lucidez (um nível bem baixo, provavelmente). Percebo que posso controlar meu corpo de outras formas.

Primeiro arrisco um salto maior e, como mágica, consigo saltar a uns 2 metros de altura. Em seguida, crio um time composto de 4 eus e começo a dar pequenos teleportes para fazer passes. Por último, uso algo que já me aconteceu em sonhos não lúcidos anteriores: quando eu estava correndo nesses sonhos, com muita pressa, eu me jogava em direção ao chão e planava a 1 palmo mais ou menos da superfície, num movimento parecido com o de uma serpente, e por algum motivo, eu sei que quando faço isso, meu corpo se torna algum tipo de sombra.
Nota: Geralmente, tudo o que eu tento fazer de mais "sofisticado" num SL da errado, ou tem efeitos estranhos... Quando tentei fazer minha mão atravessar uma parede, eu criei uma mão de uma velha do outro lado da parede. Quando tentei me teleportar, criei um clone meu. Talvez, pelo fato de não estar totalmente no comando, as coisas aconteceram com mais fluidez e com o resultado esperado (eu acho).
Olá, tô lendo seu relato meio atrasado aqui. Mas, seja muito bem vindo ao fórum. certo

Interessante a sua experiência. A parte que você flutuou igual uma cobra, me lembro uma experiência que eu tive num sonho lúcido antigo. No sonho, eu entrei em um corredor e a medida que eu ia avançando no corredor, o correndo ia se afunilando e meu corpo, junto com ele. Até eu sentir meu corpo ficar elástico, igual a de uma cobra. Foi uma experiência muito surreal. certo
avatar
Mensagens : 25
Pontos : 979
Honra : 5
Data de inscrição : 25/05/2015
Idade : 25
Localização : Itajubá - MG / Espírito Santo do Pinhal - SP
Sonhos Lúcidos :
2 / 9992 / 999
Sonhos Comuns :
2 / 9992 / 999
Ver perfil do usuário

Re: Diário dos Sonhos Lúcidos de B21Munhoz

em Seg Nov 23, 2015 12:16 am
Reputação da mensagem: 100% (1 votos)
Ramon, sempre que eu quero correr num sonho, tem uma chance de fazer esse lance de virar sombra e sair flutuando como cobra. Até nos sonhos não lúcidos (e eu não percebo que é um sonho!! kk).

Corredores são uma maravilha nos sonhos lúcidos =) Acho que vou começar a verificar se estou sonhando, sempre que estiver andando por um. Preciso me lembrar disso!


Coisas que recomendo / ferramentas que uso:

Diretamente Ligado aos Sonhos
- Livro - Sonhos Lúcidos: Um Guia para Dominar a Arte de Controlar seus Sonhos, por Dylan Tuccillo, Jared Zeizel e Thomas Peisel. Bom livro para iniciantes e também para sonhadores avançados. Possui explicações de várias técnicas e instruções de como tentar fazer algumas coisas dentro dos SLs.

- Aplicativo Gratuito - Awoken. Possui: alarme para reality checks, som de totem, dream clues e um diário de sonhos legalzinho.

Indiretamente Ligado aos Sonhos
- Livro - Chi Kung: Para a saúde e vitalidade, por Wong Kiew Kit. A meditação é algo que me ajuda a lembrar dos sonhos com uma intensidade mais vívida.
avatar
Mensagens : 2531
Pontos : 5703
Honra : 1044
Data de inscrição : 12/06/2013
Localização : Bahia
Sonhos Lúcidos :
0 / 9990 / 999
Sonhos Comuns :
0 / 9990 / 999
Ver perfil do usuário

Re: Diário dos Sonhos Lúcidos de B21Munhoz

em Ter Nov 24, 2015 2:13 am
B21Munhoz escreveu:
B21Munhoz escreveu:Ramon, sempre que eu quero correr num sonho, tem uma chance de fazer esse lance de virar sombra e sair flutuando como cobra. Até nos sonhos não lúcidos (e eu não percebo que é um sonho!! kk).

Corredores são uma maravilha nos sonhos lúcidos =) Acho que vou começar a verificar se estou sonhando, sempre que estiver andando por um. Preciso me lembrar disso!
Corredores são bem interessantes mesmo, porque na maioria das vezes, eles sempre tem portas que dão pra algum lugar no sonho. Num sonho lúcido, você pode aproveitar essas portas pra visualizar e vivenciar o que você quiser no sonho. certo
avatar
Mensagens : 25
Pontos : 979
Honra : 5
Data de inscrição : 25/05/2015
Idade : 25
Localização : Itajubá - MG / Espírito Santo do Pinhal - SP
Sonhos Lúcidos :
2 / 9992 / 999
Sonhos Comuns :
2 / 9992 / 999
Ver perfil do usuário

Re: Diário dos Sonhos Lúcidos de B21Munhoz

em Qua Nov 25, 2015 7:37 pm
Esse sonho apresentou um momento de lucidez, porém, bem no final do sonho, quando eu já estava para acordar. Foi um momento de lucidez onde tudo ficou muito caótico e frustrante =(. Como esse é um diário sobre sonhos lúcidos, farei o seguinte: na parte em que estou lúcido e um pouquinho antes, deixarei a letra em negrito e itálico.

25/11/2015 (dormida a tarde) - Guerra contra meu sonho e suas criações.

Estou em um lugar enorme. A princípio, a lembrança é meio turva, mas vai adquirindo mais vividez. No começo, penso que estou em um navio antigo (ou talvez eu estivesse em um mesmo), mas depois de um tempo, percebo que não é um navio (ou era e se transformou em outro lugar).
O lugar é um prédio de algum tipo. No andar de baixo, há alguns desabrigados e um pessoal trabalhando em algo. Está tudo escuro nessa área. As janelas são pequenas, ficam a uns 15 metros do chão e por elas passa uma luz pálida e cinzenta. Sou algum tipo de oficial, nesse momento, visto uma farda com aquelas ombreiras legais que tem uns fiozinhos e tenho um bigode imponente (a fonte de todos os poderes de um oficial). Eu estava de guarda, em frente a um aposento. Apenas mulheres podiam entrar. Era o único aposento iluminado e de lá saia uma luz amarelada. Onde estou fica no andar de cima, sendo necessário subir uma escadaria ampla e elegante para se ter acesso. Estou de guarda nessa porta porque houve algum tumulto no andar de baixo e fiquei encarregado de proteger uma moça. Aparentemente, os inimigos conseguiram penetrar a construção.
Fiquei firme em minha posição e qualquer um que ousasse entrar no aposento, eu segurava ou presenteava com um tiro (se fosse o caso de um inimigo).
Pois bem. Aparentemente, os invasores foram contidos (e é nesse momento que o sonho fica absurdamente vivido! Meus 5 sentidos funcionam normalmente. As armas que eu seguro, são frias ao toque e tem textura de madeira, a voz da garota é uma voz nova e bonita, o ar é poeirento e cheira a areia).
Sai do quarto a garota que eu devia proteger. Ela veste um vestido amarelo, estilo aqueles de quando o primeiro carro estava para ser criado. O cabelo é escuro e ondulado. "Venha, precisamos aproveitar que o ataque cessou e ir lá fora!" ela diz, com uma voz bonita não muito fina, porém suave (não sei descrever a voz). Sigo ela, descendo a escada. Dois soldados me acompanham. Agora que estou no andar de baixo, percebo que o lugar é uma mistura de indústria e supermercado. Descemos pelo lado direito do galpão, há várias prateleiras com produtos. "Peguem o que der para comprar, principalmente água. Os soldados e sobreviventes estão precisando!" eu digo. A garota, então, fala "Podem pegar tudo. Minha mãe tem dinheiro, ela é rica" e tirou um cartão de crédito do bolso.
Pegamos uns galõezinhos de água, quase do tamanho de garrafas de 500ml. Eu também quero pegar um corotinho de pinga Amélia, o álcool forte pode ajudar algum soldado a esquecer os problemas por um tempo. A garota diz "Pode pegar, eu pago. Tenho dinheiro". Peguei o corotinho, que não era de plástico como na realidade, mas é de vidro e seu rótulo é um folheado a ouro, muito bonito (o por que de alguém daria esse acabamento em uma garrafinha de pinga, eu não sei).
E então, saímos da construção: eu e os dois soldados, todos armados, e a moça. A visão é de espantar: saímos em uma varanda, toda feita de madeira. Logo em frente, para a direita, a uns 15 metros, existe uma casa que está sem uma parede. É uma grande casa de madeira meio escurecida, com sinais de brasa. Para a direita, o solo se inclina numa descida. O chã é arenoso, uma areia dum tom amarelo forte, puxando para o alaranjado. Está de dia, apesar da luz não ser radiante. No meio das dunas, vários escombros e corpos.
Ao lado da casa chamuscada, no chão, há algo medonho. É todo coberto de pelos grossos e compridos, num tom castanho escuro e empoeirado. Possui membros longos e magros. O rosto é de um animal e de um homem ao mesmo tempo, com uma mandíbula grande, bem maior que o focinho, olhos raivosos e amarelados, com pequenos chifres.
Essa coisa começa a se levantar, ficando primeiro nas 4 "patas". Estamos todos armados, menos a garota. Eu tenho uma espingarda, algo próximo de uma 12, com um só cano e também um revólver com o cano longo. Atiro com o revólver, consigo ver a trajetória do projétil e a minha conclusão é que minha mira é horrível para alguém da minha posição. Os soldados atiram e vão para cima da criatura! O ser peludo se esconde no forro da casa chamuscada. Eu me aproximo, os soldados estão com rifles, prontos para qualquer coisa. A garota está dentro da casinha e, por falta da parede, é possível vê-la lá dentro.
Dou uma olhada no forro e vejo a criatura num canto. Vou para baixo dela, na parte em que está sentada, preparo a espingarda e solto a seguinte frase "vou explodir o c* desse desgraçado". Puxo o gatilho, vem o som do tiro e depois o de uma explosão. Cai sangue e para todo lado, e muitas tripas em cima de um soldado.

Entro na casa e começo a vasculhar. Está escuro e empoeirado, num tom que me lembra madeira podre. Penso "um dia alguém vai voltar para essa casa. Tomara que não fique brava com a pilhagem". Existem muitas tranqueiras, mesas empoeiradas, um tear quebrado e uma cômoda baixa, cheia de pequenas gavetas. Em cima dela, há um par de grandes dados de pedra, do tamanho de um punho, num tom amarelo claro. Pego um dado na mão, dou uma olhada, coloco de volta no lugar.
Começo a abrir as gavetas então e em uma delas, encontro algo espantoso: uma caneca cheia de café com leite e um pãozinho! Ainda quentes! E o café com leite nem derrama, mesmo com a velocidade brusca com que puxei a gaveta! Isso não faz o menor sentido! Isso deve ser um sonho!
Penso em fazer um reality check, mas não é necessário, porque quando olho para meus braços que estavam abrindo a gaveta, eles estão translúcidos! Estou sonhando! Tudo começa a ficar embaçado. Estou mesmo sonhando e meu sonho está acabando! Droga, preciso fazer algo! Tento me imaginar num lugar com menos detalhes. Minha visão começa a desaparecer. Por algum motivo, lembro do verso "I'm just a poor boy, I need no sympathy" (Bohemian Rhapsody - Queen). Vejo então um pequeno garoto gordinho, feito de madeira, em cima de uma toalha de mesa branca, mas pouco iluminada, e mãos escuras e grandes mexendo os dedos, muito acima do garoto. Eu sou esse garoto! Mas que droga! Por que estou pensando nisso?! (Agora percebo que eu consegui o que queria. O ambiente ao redor sumiu e virou apenas uma mesa com um gordinho de madeira em cima ¬¬) Foco! Foco! Estou um pouco irritado e frustrado com o que está acontecendo.
Começo a escutar vozes de fora, mas continuo no sonho. Acordo num quarto escuro. É minha casa de Espírito Santo do Pinhal. Mas sei que não acordei de verdade, porque o barulho externo é condizente com a república de Itajubá. Me levanto da cama. Está tudo escuro. Tento abrir uma gaveta do armário. Então paro de enxergar e a única coisa que vejo, é uma imagem, um quadro azul, dizendo em letras brancas algo que não me recordo com precisão, mas que tinha como mensagem algo que me lembra da tela azul do windows, dizendo que eu estava acordando. E foi o q aconteceu.
Estou deitado, na minha cama na república, não vejo nada porque meus olhos estão fechados, alguém está pegando dinheiro para comprar gás... Tento ficar imóvel e voltar para o sonho (é DEILD o nome disso?), mas meu cérebro já está a mil, pensando mil coisas e estou sem sono algum. Depois de um certo tempo, desisto.


Coisas que recomendo / ferramentas que uso:

Diretamente Ligado aos Sonhos
- Livro - Sonhos Lúcidos: Um Guia para Dominar a Arte de Controlar seus Sonhos, por Dylan Tuccillo, Jared Zeizel e Thomas Peisel. Bom livro para iniciantes e também para sonhadores avançados. Possui explicações de várias técnicas e instruções de como tentar fazer algumas coisas dentro dos SLs.

- Aplicativo Gratuito - Awoken. Possui: alarme para reality checks, som de totem, dream clues e um diário de sonhos legalzinho.

Indiretamente Ligado aos Sonhos
- Livro - Chi Kung: Para a saúde e vitalidade, por Wong Kiew Kit. A meditação é algo que me ajuda a lembrar dos sonhos com uma intensidade mais vívida.
avatar
Mensagens : 220
Pontos : 1128
Honra : 90
Data de inscrição : 08/10/2015
Idade : 41
Localização : Brasil
Sonhos Lúcidos :
3 / 9993 / 999
Sonhos Comuns :
999 / 999999 / 999
Ver perfil do usuário

Re: Diário dos Sonhos Lúcidos de B21Munhoz

em Qui Nov 26, 2015 10:45 pm
Ptz, é frustrante o sonho durar tão pouco logo que vc consegue lucidez! E essa garota aí da parte não lúcida, uma riquinha metida kkkkkkkkk


Uma força misteriosa que funciona apenas com gatos:
avatar
Mensagens : 25
Pontos : 979
Honra : 5
Data de inscrição : 25/05/2015
Idade : 25
Localização : Itajubá - MG / Espírito Santo do Pinhal - SP
Sonhos Lúcidos :
2 / 9992 / 999
Sonhos Comuns :
2 / 9992 / 999
Ver perfil do usuário

Re: Diário dos Sonhos Lúcidos de B21Munhoz

em Qui Nov 26, 2015 11:40 pm
Lynx escreveu:Ptz, é frustrante o sonho durar tão pouco logo que vc consegue lucidez! E essa garota aí da parte não lúcida, uma riquinha metida kkkkkkkkk

Comprei pinga na conta dela legal
A princípio fiquei frustrado mesmo. Mas também estou feliz pq estou conseguindo me lembrar bem dos meus sonhos e estão muito vívidos. Já é o quarto dia que dormir está extraordinário hehe
Se continuar nesse ritmo, terei que peneirar o que eu coloco nos diários do fórum hehe


Coisas que recomendo / ferramentas que uso:

Diretamente Ligado aos Sonhos
- Livro - Sonhos Lúcidos: Um Guia para Dominar a Arte de Controlar seus Sonhos, por Dylan Tuccillo, Jared Zeizel e Thomas Peisel. Bom livro para iniciantes e também para sonhadores avançados. Possui explicações de várias técnicas e instruções de como tentar fazer algumas coisas dentro dos SLs.

- Aplicativo Gratuito - Awoken. Possui: alarme para reality checks, som de totem, dream clues e um diário de sonhos legalzinho.

Indiretamente Ligado aos Sonhos
- Livro - Chi Kung: Para a saúde e vitalidade, por Wong Kiew Kit. A meditação é algo que me ajuda a lembrar dos sonhos com uma intensidade mais vívida.
avatar
Mensagens : 235
Pontos : 1679
Honra : 91
Data de inscrição : 02/06/2014
Idade : 27
Localização : Pouso Alegre, mg
Sonhos Lúcidos :
0 / 9990 / 999
Sonhos Comuns :
0 / 9990 / 999
Ver perfil do usuário

Re: Diário dos Sonhos Lúcidos de B21Munhoz

em Sex Nov 27, 2015 1:50 am
Reputação da mensagem: 100% (1 votos)
B21Munhoz , quando vc perceber que está lúcido e o sonho está acabando, coloca a língua no céu da boca.
avatar
Mensagens : 25
Pontos : 979
Honra : 5
Data de inscrição : 25/05/2015
Idade : 25
Localização : Itajubá - MG / Espírito Santo do Pinhal - SP
Sonhos Lúcidos :
2 / 9992 / 999
Sonhos Comuns :
2 / 9992 / 999
Ver perfil do usuário

Re: Diário dos Sonhos Lúcidos de B21Munhoz

em Sex Nov 27, 2015 4:38 pm
Sério? Ok, vou tentar =D
No livro que eu deixei na minha assinatura, fala que você pode dar voltas ou girar, que aí da uma melhorada.

O problema é eu me lembrar de colocar a língua no céu da boca ou fazer isso que está no livro hehe.


Coisas que recomendo / ferramentas que uso:

Diretamente Ligado aos Sonhos
- Livro - Sonhos Lúcidos: Um Guia para Dominar a Arte de Controlar seus Sonhos, por Dylan Tuccillo, Jared Zeizel e Thomas Peisel. Bom livro para iniciantes e também para sonhadores avançados. Possui explicações de várias técnicas e instruções de como tentar fazer algumas coisas dentro dos SLs.

- Aplicativo Gratuito - Awoken. Possui: alarme para reality checks, som de totem, dream clues e um diário de sonhos legalzinho.

Indiretamente Ligado aos Sonhos
- Livro - Chi Kung: Para a saúde e vitalidade, por Wong Kiew Kit. A meditação é algo que me ajuda a lembrar dos sonhos com uma intensidade mais vívida.
avatar
Mensagens : 2531
Pontos : 5703
Honra : 1044
Data de inscrição : 12/06/2013
Localização : Bahia
Sonhos Lúcidos :
0 / 9990 / 999
Sonhos Comuns :
0 / 9990 / 999
Ver perfil do usuário

Re: Diário dos Sonhos Lúcidos de B21Munhoz

em Qua Dez 02, 2015 9:52 am
B21Munhoz escreveu:
B21Munhoz escreveu:Esse sonho apresentou um momento de lucidez, porém, bem no final do sonho, quando eu já estava para acordar. Foi um momento de lucidez onde tudo ficou muito caótico e frustrante =(. Como esse é um diário sobre sonhos lúcidos, farei o seguinte: na parte em que estou lúcido e um pouquinho antes, deixarei a letra em negrito e itálico.

25/11/2015 (dormida a tarde) - Guerra contra meu sonho e suas criações.

Estou em um lugar enorme. A princípio, a lembrança é meio turva, mas vai adquirindo mais vividez. No começo, penso que estou em um navio antigo (ou talvez eu estivesse em um mesmo), mas depois de um tempo, percebo que não é um navio (ou era e se transformou em outro lugar).
O lugar é um prédio de algum tipo. No andar de baixo, há alguns desabrigados e um pessoal trabalhando em algo. Está tudo escuro nessa área. As janelas são pequenas, ficam a uns 15 metros do chão e por elas passa uma luz pálida e cinzenta. Sou algum tipo de oficial, nesse momento, visto uma farda com aquelas ombreiras legais que tem uns fiozinhos e tenho um bigode imponente (a fonte de todos os poderes de um oficial). Eu estava de guarda, em frente a um aposento. Apenas mulheres podiam entrar. Era o único aposento iluminado e de lá saia uma luz amarelada. Onde estou fica no andar de cima, sendo necessário subir uma escadaria ampla e elegante para se ter acesso. Estou de guarda nessa porta porque houve algum tumulto no andar de baixo e fiquei encarregado de proteger uma moça. Aparentemente, os inimigos conseguiram penetrar a construção.
Fiquei firme em minha posição e qualquer um que ousasse entrar no aposento, eu segurava ou presenteava com um tiro (se fosse o caso de um inimigo).
Pois bem. Aparentemente, os invasores foram contidos (e é nesse momento que o sonho fica absurdamente vivido! Meus 5 sentidos funcionam normalmente. As armas que eu seguro, são frias ao toque e tem textura de madeira, a voz da garota é uma voz nova e bonita, o ar é poeirento e cheira a areia).
Sai do quarto a garota que eu devia proteger. Ela veste um vestido amarelo, estilo aqueles de quando o primeiro carro estava para ser criado. O cabelo é escuro e ondulado. "Venha, precisamos aproveitar que o ataque cessou e ir lá fora!" ela diz, com uma voz bonita não muito fina, porém suave (não sei descrever a voz). Sigo ela, descendo a escada. Dois soldados me acompanham. Agora que estou no andar de baixo, percebo que o lugar é uma mistura de indústria e supermercado. Descemos pelo lado direito do galpão, há várias prateleiras com produtos. "Peguem o que der para comprar, principalmente água. Os soldados e sobreviventes estão precisando!" eu digo. A garota, então, fala "Podem pegar tudo. Minha mãe tem dinheiro, ela é rica" e tirou um cartão de crédito do bolso.
Pegamos uns galõezinhos de água, quase do tamanho de garrafas de 500ml. Eu também quero pegar um corotinho de pinga Amélia, o álcool forte pode ajudar algum soldado a esquecer os problemas por um tempo. A garota diz "Pode pegar, eu pago. Tenho dinheiro". Peguei o corotinho, que não era de plástico como na realidade, mas é de vidro e seu rótulo é um folheado a ouro, muito bonito (o por que de alguém daria esse acabamento em uma garrafinha de pinga, eu não sei).
E então, saímos da construção: eu e os dois soldados, todos armados, e a moça. A visão é de espantar: saímos em uma varanda, toda feita de madeira. Logo em frente, para a direita, a uns 15 metros, existe uma casa que está sem uma parede. É uma grande casa de madeira meio escurecida, com sinais de brasa. Para a direita, o solo se inclina numa descida. O chã é arenoso, uma areia dum tom amarelo forte, puxando para o alaranjado. Está de dia, apesar da luz não ser radiante. No meio das dunas, vários escombros e corpos.
Ao lado da casa chamuscada, no chão, há algo medonho. É todo coberto de pelos grossos e compridos, num tom castanho escuro e empoeirado. Possui membros longos e magros. O rosto é de um animal e de um homem ao mesmo tempo, com uma mandíbula grande, bem maior que o focinho, olhos raivosos e amarelados, com pequenos chifres.
Essa coisa começa a se levantar, ficando primeiro nas 4 "patas". Estamos todos armados, menos a garota. Eu tenho uma espingarda, algo próximo de uma 12, com um só cano e também um revólver com o cano longo. Atiro com o revólver, consigo ver a trajetória do projétil e a minha conclusão é que minha mira é horrível para alguém da minha posição. Os soldados atiram e vão para cima da criatura! O ser peludo se esconde no forro da casa chamuscada. Eu me aproximo, os soldados estão com rifles, prontos para qualquer coisa. A garota está dentro da casinha e, por falta da parede, é possível vê-la lá dentro.
Dou uma olhada no forro e vejo a criatura num canto. Vou para baixo dela, na parte em que está sentada, preparo a espingarda e solto a seguinte frase "vou explodir o c* desse desgraçado". Puxo o gatilho, vem o som do tiro e depois o de uma explosão. Cai sangue e para todo lado, e muitas tripas em cima de um soldado.

Entro na casa e começo a vasculhar. Está escuro e empoeirado, num tom que me lembra madeira podre. Penso "um dia alguém vai voltar para essa casa. Tomara que não fique brava com a pilhagem". Existem muitas tranqueiras, mesas empoeiradas, um tear quebrado e uma cômoda baixa, cheia de pequenas gavetas. Em cima dela, há um par de grandes dados de pedra, do tamanho de um punho, num tom amarelo claro. Pego um dado na mão, dou uma olhada, coloco de volta no lugar.
Começo a abrir as gavetas então e em uma delas, encontro algo espantoso: uma caneca cheia de café com leite e um pãozinho! Ainda quentes! E o café com leite nem derrama, mesmo com a velocidade brusca com que puxei a gaveta! Isso não faz o menor sentido! Isso deve ser um sonho!
Penso em fazer um reality check, mas não é necessário, porque quando olho para meus braços que estavam abrindo a gaveta, eles estão translúcidos! Estou sonhando! Tudo começa a ficar embaçado. Estou mesmo sonhando e meu sonho está acabando! Droga, preciso fazer algo! Tento me imaginar num lugar com menos detalhes. Minha visão começa a desaparecer. Por algum motivo, lembro do verso "I'm just a poor boy, I need no sympathy" (Bohemian Rhapsody - Queen). Vejo então um pequeno garoto gordinho, feito de madeira, em cima de uma toalha de mesa branca, mas pouco iluminada, e mãos escuras e grandes mexendo os dedos, muito acima do garoto. Eu sou esse garoto! Mas que droga! Por que estou pensando nisso?! (Agora percebo que eu consegui o que queria. O ambiente ao redor sumiu e virou apenas uma mesa com um gordinho de madeira em cima ¬¬) Foco! Foco! Estou um pouco irritado e frustrado com o que está acontecendo.
Começo a escutar vozes de fora, mas continuo no sonho. Acordo num quarto escuro. É minha casa de Espírito Santo do Pinhal. Mas sei que não acordei de verdade, porque o barulho externo é condizente com a república de Itajubá. Me levanto da cama. Está tudo escuro. Tento abrir uma gaveta do armário. Então paro de enxergar e a única coisa que vejo, é uma imagem, um quadro azul, dizendo em letras brancas algo que não me recordo com precisão, mas que tinha como mensagem algo que me lembra da tela azul do windows, dizendo que eu estava acordando. E foi o q aconteceu.
Estou deitado, na minha cama na república, não vejo nada porque meus olhos estão fechados, alguém está pegando dinheiro para comprar gás... Tento ficar imóvel e voltar para o sonho (é DEILD o nome disso?), mas meu cérebro já está a mil, pensando mil coisas e estou sem sono algum. Depois de um certo tempo, desisto.
O sonho lúcido foi bem curto, mas, pelo menos foi um SL.

Achei interessante quando você olhou pros seus braços e eles estavam translúcidos. Já tive essa experiência olhando pra minhas mãos no sonho. No sonho, olhei pra minhas mãos e elas pareciam mãos fantasmas, meio pálidas e com muitos pontinhos luminosos, como se eu tivesse com as mãos coberta de purpurina translúcida. Foi uma visão impactante que confirmou que eu estava no meio de um sonho.
avatar
Mensagens : 25
Pontos : 979
Honra : 5
Data de inscrição : 25/05/2015
Idade : 25
Localização : Itajubá - MG / Espírito Santo do Pinhal - SP
Sonhos Lúcidos :
2 / 9992 / 999
Sonhos Comuns :
2 / 9992 / 999
Ver perfil do usuário

Re: Diário dos Sonhos Lúcidos de B21Munhoz

em Qua Dez 02, 2015 8:32 pm
Reputação da mensagem: 100% (1 votos)
Ramon escreveu:
B21Munhoz escreveu:

B21Munhoz escreveu:Esse sonho apresentou um momento de lucidez, porém, bem no final do sonho, quando eu já estava para acordar. Foi um momento de lucidez onde tudo ficou muito caótico e frustrante =(. Como esse é um diário sobre sonhos lúcidos, farei o seguinte: na parte em que estou lúcido e um pouquinho antes, deixarei a letra em negrito e itálico.

25/11/2015 (dormida a tarde) - Guerra contra meu sonho e suas criações.

Estou em um lugar enorme. A princípio, a lembrança é meio turva, mas vai adquirindo mais vividez. No começo, penso que estou em um navio antigo (ou talvez eu estivesse em um mesmo), mas depois de um tempo, percebo que não é um navio (ou era e se transformou em outro lugar).
O lugar é um prédio de algum tipo. No andar de baixo, há alguns desabrigados e um pessoal trabalhando em algo. Está tudo escuro nessa área. As janelas são pequenas, ficam a uns 15 metros do chão e por elas passa uma luz pálida e cinzenta. Sou algum tipo de oficial, nesse momento, visto uma farda com aquelas ombreiras legais que tem uns fiozinhos e tenho um bigode imponente (a fonte de todos os poderes de um oficial). Eu estava de guarda, em frente a um aposento. Apenas mulheres podiam entrar. Era o único aposento iluminado e de lá saia uma luz amarelada. Onde estou fica no andar de cima, sendo necessário subir uma escadaria ampla e elegante para se ter acesso. Estou de guarda nessa porta porque houve algum tumulto no andar de baixo e fiquei encarregado de proteger uma moça. Aparentemente, os inimigos conseguiram penetrar a construção.
Fiquei firme em minha posição e qualquer um que ousasse entrar no aposento, eu segurava ou presenteava com um tiro (se fosse o caso de um inimigo).
Pois bem. Aparentemente, os invasores foram contidos (e é nesse momento que o sonho fica absurdamente vivido! Meus 5 sentidos funcionam normalmente. As armas que eu seguro, são frias ao toque e tem textura de madeira, a voz da garota é uma voz nova e bonita, o ar é poeirento e cheira a areia).
Sai do quarto a garota que eu devia proteger. Ela veste um vestido amarelo, estilo aqueles de quando o primeiro carro estava para ser criado. O cabelo é escuro e ondulado. "Venha, precisamos aproveitar que o ataque cessou e ir lá fora!" ela diz, com uma voz bonita não muito fina, porém suave (não sei descrever a voz). Sigo ela, descendo a escada. Dois soldados me acompanham. Agora que estou no andar de baixo, percebo que o lugar é uma mistura de indústria e supermercado. Descemos pelo lado direito do galpão, há várias prateleiras com produtos. "Peguem o que der para comprar, principalmente água. Os soldados e sobreviventes estão precisando!" eu digo. A garota, então, fala "Podem pegar tudo. Minha mãe tem dinheiro, ela é rica" e tirou um cartão de crédito do bolso.
Pegamos uns galõezinhos de água, quase do tamanho de garrafas de 500ml. Eu também quero pegar um corotinho de pinga Amélia, o álcool forte pode ajudar algum soldado a esquecer os problemas por um tempo. A garota diz "Pode pegar, eu pago. Tenho dinheiro". Peguei o corotinho, que não era de plástico como na realidade, mas é de vidro e seu rótulo é um folheado a ouro, muito bonito (o por que de alguém daria esse acabamento em uma garrafinha de pinga, eu não sei).
E então, saímos da construção: eu e os dois soldados, todos armados, e a moça. A visão é de espantar: saímos em uma varanda, toda feita de madeira. Logo em frente, para a direita, a uns 15 metros, existe uma casa que está sem uma parede. É uma grande casa de madeira meio escurecida, com sinais de brasa. Para a direita, o solo se inclina numa descida. O chã é arenoso, uma areia dum tom amarelo forte, puxando para o alaranjado. Está de dia, apesar da luz não ser radiante. No meio das dunas, vários escombros e corpos.
Ao lado da casa chamuscada, no chão, há algo medonho. É todo coberto de pelos grossos e compridos, num tom castanho escuro e empoeirado. Possui membros longos e magros. O rosto é de um animal e de um homem ao mesmo tempo, com uma mandíbula grande, bem maior que o focinho, olhos raivosos e amarelados, com pequenos chifres.
Essa coisa começa a se levantar, ficando primeiro nas 4 "patas". Estamos todos armados, menos a garota. Eu tenho uma espingarda, algo próximo de uma 12, com um só cano e também um revólver com o cano longo. Atiro com o revólver, consigo ver a trajetória do projétil e a minha conclusão é que minha mira é horrível para alguém da minha posição. Os soldados atiram e vão para cima da criatura! O ser peludo se esconde no forro da casa chamuscada. Eu me aproximo, os soldados estão com rifles, prontos para qualquer coisa. A garota está dentro da casinha e, por falta da parede, é possível vê-la lá dentro.
Dou uma olhada no forro e vejo a criatura num canto. Vou para baixo dela, na parte em que está sentada, preparo a espingarda e solto a seguinte frase "vou explodir o c* desse desgraçado". Puxo o gatilho, vem o som do tiro e depois o de uma explosão. Cai sangue e para todo lado, e muitas tripas em cima de um soldado.

Entro na casa e começo a vasculhar. Está escuro e empoeirado, num tom que me lembra madeira podre. Penso "um dia alguém vai voltar para essa casa. Tomara que não fique brava com a pilhagem". Existem muitas tranqueiras, mesas empoeiradas, um tear quebrado e uma cômoda baixa, cheia de pequenas gavetas. Em cima dela, há um par de grandes dados de pedra, do tamanho de um punho, num tom amarelo claro. Pego um dado na mão, dou uma olhada, coloco de volta no lugar.
Começo a abrir as gavetas então e em uma delas, encontro algo espantoso: uma caneca cheia de café com leite e um pãozinho! Ainda quentes! E o café com leite nem derrama, mesmo com a velocidade brusca com que puxei a gaveta! Isso não faz o menor sentido! Isso deve ser um sonho!
Penso em fazer um reality check, mas não é necessário, porque quando olho para meus braços que estavam abrindo a gaveta, eles estão translúcidos! Estou sonhando! Tudo começa a ficar embaçado. Estou mesmo sonhando e meu sonho está acabando! Droga, preciso fazer algo! Tento me imaginar num lugar com menos detalhes. Minha visão começa a desaparecer. Por algum motivo, lembro do verso "I'm just a poor boy, I need no sympathy" (Bohemian Rhapsody - Queen). Vejo então um pequeno garoto gordinho, feito de madeira, em cima de uma toalha de mesa branca, mas pouco iluminada, e mãos escuras e grandes mexendo os dedos, muito acima do garoto. Eu sou esse garoto! Mas que droga! Por que estou pensando nisso?! (Agora percebo que eu consegui o que queria. O ambiente ao redor sumiu e virou apenas uma mesa com um gordinho de madeira em cima ¬¬) Foco! Foco! Estou um pouco irritado e frustrado com o que está acontecendo.
Começo a escutar vozes de fora, mas continuo no sonho. Acordo num quarto escuro. É minha casa de Espírito Santo do Pinhal. Mas sei que não acordei de verdade, porque o barulho externo é condizente com a república de Itajubá. Me levanto da cama. Está tudo escuro. Tento abrir uma gaveta do armário. Então paro de enxergar e a única coisa que vejo, é uma imagem, um quadro azul, dizendo em letras brancas algo que não me recordo com precisão, mas que tinha como mensagem algo que me lembra da tela azul do windows, dizendo que eu estava acordando. E foi o q aconteceu.
Estou deitado, na minha cama na república, não vejo nada porque meus olhos estão fechados, alguém está pegando dinheiro para comprar gás... Tento ficar imóvel e voltar para o sonho (é DEILD o nome disso?), mas meu cérebro já está a mil, pensando mil coisas e estou sem sono algum. Depois de um certo tempo, desisto.
O sonho lúcido foi bem curto, mas, pelo menos foi um SL.

Achei interessante quando você olhou pros seus braços e eles estavam translúcidos. Já tive essa experiência olhando pra minhas mãos no sonho. No sonho, olhei pra minhas mãos e elas pareciam mãos fantasmas, meio pálidas e com muitos pontinhos luminosos, como se eu tivesse com as mãos coberta de purpurina translúcida. Foi uma visão impactante que confirmou que eu estava no meio de um sonho.

A lucidez foi curta mesmo, e nem deu pra fazer nada =(
Minhas mãos translúcidas foram mais pra algo apagado mesmo, sem brilho algum. Como um holograma meio fraco...
Preciso treinar meu autocontrole


Coisas que recomendo / ferramentas que uso:

Diretamente Ligado aos Sonhos
- Livro - Sonhos Lúcidos: Um Guia para Dominar a Arte de Controlar seus Sonhos, por Dylan Tuccillo, Jared Zeizel e Thomas Peisel. Bom livro para iniciantes e também para sonhadores avançados. Possui explicações de várias técnicas e instruções de como tentar fazer algumas coisas dentro dos SLs.

- Aplicativo Gratuito - Awoken. Possui: alarme para reality checks, som de totem, dream clues e um diário de sonhos legalzinho.

Indiretamente Ligado aos Sonhos
- Livro - Chi Kung: Para a saúde e vitalidade, por Wong Kiew Kit. A meditação é algo que me ajuda a lembrar dos sonhos com uma intensidade mais vívida.
avatar
Mensagens : 2531
Pontos : 5703
Honra : 1044
Data de inscrição : 12/06/2013
Localização : Bahia
Sonhos Lúcidos :
0 / 9990 / 999
Sonhos Comuns :
0 / 9990 / 999
Ver perfil do usuário

Re: Diário dos Sonhos Lúcidos de B21Munhoz

em Seg Dez 07, 2015 12:05 am
B21Munhoz escreveu:

B21Munhoz escreveu:
Ramon escreveu:
B21Munhoz escreveu:

B21Munhoz escreveu:Esse sonho apresentou um momento de lucidez, porém, bem no final do sonho, quando eu já estava para acordar. Foi um momento de lucidez onde tudo ficou muito caótico e frustrante =(. Como esse é um diário sobre sonhos lúcidos, farei o seguinte: na parte em que estou lúcido e um pouquinho antes, deixarei a letra em negrito e itálico.

25/11/2015 (dormida a tarde) - Guerra contra meu sonho e suas criações.

Estou em um lugar enorme. A princípio, a lembrança é meio turva, mas vai adquirindo mais vividez. No começo, penso que estou em um navio antigo (ou talvez eu estivesse em um mesmo), mas depois de um tempo, percebo que não é um navio (ou era e se transformou em outro lugar).
O lugar é um prédio de algum tipo. No andar de baixo, há alguns desabrigados e um pessoal trabalhando em algo. Está tudo escuro nessa área. As janelas são pequenas, ficam a uns 15 metros do chão e por elas passa uma luz pálida e cinzenta. Sou algum tipo de oficial, nesse momento, visto uma farda com aquelas ombreiras legais que tem uns fiozinhos e tenho um bigode imponente (a fonte de todos os poderes de um oficial). Eu estava de guarda, em frente a um aposento. Apenas mulheres podiam entrar. Era o único aposento iluminado e de lá saia uma luz amarelada. Onde estou fica no andar de cima, sendo necessário subir uma escadaria ampla e elegante para se ter acesso. Estou de guarda nessa porta porque houve algum tumulto no andar de baixo e fiquei encarregado de proteger uma moça. Aparentemente, os inimigos conseguiram penetrar a construção.
Fiquei firme em minha posição e qualquer um que ousasse entrar no aposento, eu segurava ou presenteava com um tiro (se fosse o caso de um inimigo).
Pois bem. Aparentemente, os invasores foram contidos (e é nesse momento que o sonho fica absurdamente vivido! Meus 5 sentidos funcionam normalmente. As armas que eu seguro, são frias ao toque e tem textura de madeira, a voz da garota é uma voz nova e bonita, o ar é poeirento e cheira a areia).
Sai do quarto a garota que eu devia proteger. Ela veste um vestido amarelo, estilo aqueles de quando o primeiro carro estava para ser criado. O cabelo é escuro e ondulado. "Venha, precisamos aproveitar que o ataque cessou e ir lá fora!" ela diz, com uma voz bonita não muito fina, porém suave (não sei descrever a voz). Sigo ela, descendo a escada. Dois soldados me acompanham. Agora que estou no andar de baixo, percebo que o lugar é uma mistura de indústria e supermercado. Descemos pelo lado direito do galpão, há várias prateleiras com produtos. "Peguem o que der para comprar, principalmente água. Os soldados e sobreviventes estão precisando!" eu digo. A garota, então, fala "Podem pegar tudo. Minha mãe tem dinheiro, ela é rica" e tirou um cartão de crédito do bolso.
Pegamos uns galõezinhos de água, quase do tamanho de garrafas de 500ml. Eu também quero pegar um corotinho de pinga Amélia, o álcool forte pode ajudar algum soldado a esquecer os problemas por um tempo. A garota diz "Pode pegar, eu pago. Tenho dinheiro". Peguei o corotinho, que não era de plástico como na realidade, mas é de vidro e seu rótulo é um folheado a ouro, muito bonito (o por que de alguém daria esse acabamento em uma garrafinha de pinga, eu não sei).
E então, saímos da construção: eu e os dois soldados, todos armados, e a moça. A visão é de espantar: saímos em uma varanda, toda feita de madeira. Logo em frente, para a direita, a uns 15 metros, existe uma casa que está sem uma parede. É uma grande casa de madeira meio escurecida, com sinais de brasa. Para a direita, o solo se inclina numa descida. O chã é arenoso, uma areia dum tom amarelo forte, puxando para o alaranjado. Está de dia, apesar da luz não ser radiante. No meio das dunas, vários escombros e corpos.
Ao lado da casa chamuscada, no chão, há algo medonho. É todo coberto de pelos grossos e compridos, num tom castanho escuro e empoeirado. Possui membros longos e magros. O rosto é de um animal e de um homem ao mesmo tempo, com uma mandíbula grande, bem maior que o focinho, olhos raivosos e amarelados, com pequenos chifres.
Essa coisa começa a se levantar, ficando primeiro nas 4 "patas". Estamos todos armados, menos a garota. Eu tenho uma espingarda, algo próximo de uma 12, com um só cano e também um revólver com o cano longo. Atiro com o revólver, consigo ver a trajetória do projétil e a minha conclusão é que minha mira é horrível para alguém da minha posição. Os soldados atiram e vão para cima da criatura! O ser peludo se esconde no forro da casa chamuscada. Eu me aproximo, os soldados estão com rifles, prontos para qualquer coisa. A garota está dentro da casinha e, por falta da parede, é possível vê-la lá dentro.
Dou uma olhada no forro e vejo a criatura num canto. Vou para baixo dela, na parte em que está sentada, preparo a espingarda e solto a seguinte frase "vou explodir o c* desse desgraçado". Puxo o gatilho, vem o som do tiro e depois o de uma explosão. Cai sangue e para todo lado, e muitas tripas em cima de um soldado.

Entro na casa e começo a vasculhar. Está escuro e empoeirado, num tom que me lembra madeira podre. Penso "um dia alguém vai voltar para essa casa. Tomara que não fique brava com a pilhagem". Existem muitas tranqueiras, mesas empoeiradas, um tear quebrado e uma cômoda baixa, cheia de pequenas gavetas. Em cima dela, há um par de grandes dados de pedra, do tamanho de um punho, num tom amarelo claro. Pego um dado na mão, dou uma olhada, coloco de volta no lugar.
Começo a abrir as gavetas então e em uma delas, encontro algo espantoso: uma caneca cheia de café com leite e um pãozinho! Ainda quentes! E o café com leite nem derrama, mesmo com a velocidade brusca com que puxei a gaveta! Isso não faz o menor sentido! Isso deve ser um sonho!
Penso em fazer um reality check, mas não é necessário, porque quando olho para meus braços que estavam abrindo a gaveta, eles estão translúcidos! Estou sonhando! Tudo começa a ficar embaçado. Estou mesmo sonhando e meu sonho está acabando! Droga, preciso fazer algo! Tento me imaginar num lugar com menos detalhes. Minha visão começa a desaparecer. Por algum motivo, lembro do verso "I'm just a poor boy, I need no sympathy" (Bohemian Rhapsody - Queen). Vejo então um pequeno garoto gordinho, feito de madeira, em cima de uma toalha de mesa branca, mas pouco iluminada, e mãos escuras e grandes mexendo os dedos, muito acima do garoto. Eu sou esse garoto! Mas que droga! Por que estou pensando nisso?! (Agora percebo que eu consegui o que queria. O ambiente ao redor sumiu e virou apenas uma mesa com um gordinho de madeira em cima ¬¬) Foco! Foco! Estou um pouco irritado e frustrado com o que está acontecendo.
Começo a escutar vozes de fora, mas continuo no sonho. Acordo num quarto escuro. É minha casa de Espírito Santo do Pinhal. Mas sei que não acordei de verdade, porque o barulho externo é condizente com a república de Itajubá. Me levanto da cama. Está tudo escuro. Tento abrir uma gaveta do armário. Então paro de enxergar e a única coisa que vejo, é uma imagem, um quadro azul, dizendo em letras brancas algo que não me recordo com precisão, mas que tinha como mensagem algo que me lembra da tela azul do windows, dizendo que eu estava acordando. E foi o q aconteceu.
Estou deitado, na minha cama na república, não vejo nada porque meus olhos estão fechados, alguém está pegando dinheiro para comprar gás... Tento ficar imóvel e voltar para o sonho (é DEILD o nome disso?), mas meu cérebro já está a mil, pensando mil coisas e estou sem sono algum. Depois de um certo tempo, desisto.
O sonho lúcido foi bem curto, mas, pelo menos foi um SL.

Achei interessante quando você olhou pros seus braços e eles estavam translúcidos. Já tive essa experiência olhando pra minhas mãos no sonho. No sonho, olhei pra minhas mãos e elas pareciam mãos fantasmas, meio pálidas e com muitos pontinhos luminosos, como se eu tivesse com as mãos coberta de purpurina translúcida. Foi uma visão impactante que confirmou que eu estava no meio de um sonho.

A lucidez foi curta mesmo, e nem deu pra fazer nada =(
Minhas mãos translúcidas foram mais pra algo apagado mesmo, sem brilho algum. Como um holograma meio fraco...
Preciso treinar meu autocontrole
Também estou precisando treinar o meu autocontrole nos sonhos, B21Munhoz. certo
Conteúdo patrocinado

Re: Diário dos Sonhos Lúcidos de B21Munhoz

Ver o tópico anteriorVoltar ao TopoVer o tópico seguinte
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum