Conectar-se
Últimos assuntos
Os membros mais ativos do mês
9 Mensagens - 60%
5 Mensagens - 33%
1 Mensagem - 7%
Votação
Qual a técnica que você utiliza para ficar lúcido?
Teste de Realidade
45% / 15
Totem
15% / 5
Incubação
12% / 4
Gatilho
6% / 2
Gravador de Voz ou Sons Binaurais
6% / 2
Outros
15% / 5
Parceiros
 sonhos=
 sonhos=
 animes=

Compartilhe
Ver o tópico anteriorIr em baixoVer o tópico seguinte
avatar
Mensagens : 197
Pontos : 2353
Honra : 144
Data de inscrição : 26/05/2012
Sonhos Lúcidos :
0 / 9990 / 999
Sonhos Comuns :
0 / 9990 / 999
Ver perfil do usuário

Espaço Pessoal - Experimentos do Niro

em Qua Fev 18, 2015 2:21 pm
Reputação da mensagem: 100% (1 votos)
Já a algum tempo atrás, aproveitando de certa facilidade que tenho em iniciar sonhos lúcidos a partir de despertares (Deild).  Aquela modalidade na qual o praticante se levanta "mentalmente" de sua cama e sai pela casa. Iniciando o sonho lúcido, quase sempre nos arredores de onde mora.
Realizei vários experimentos, visando encontrar qualquer relação que fosse entre o mundo dos sonhos lúcidos e o mundo real.
Embora eu pessoalmente não acredite nisso. Essa relação entre os dois mundos é muito "desejada". Talvez nem tanto por sonhadores lúcidos, mas com certeza pelos praticantes das várias versões e interpretações digamos mais "místicas" do mesmo fenômeno (consciência durante o sono) que existem espalhadas pelo mundo.

Pretendo sempre que for possível, repetir esses experimentos, e postá los aqui.

Um desses experimentos, consistia em espalhar pela casa, objetos como cartas, dados. Obviamente sem ver os naipes. E após entrar em sonho lúcido ir até esses locais, conferir o naipe das cartas, ou no caso do dado, os pontinhos. Memorizá los e posteriormente, quando acordado. Analisar a possibilidade dos resultados oníricos coincidirem com os reais.

Após os primeiros experimentos, percebi que a maior dificuldade na verdade, era encontrar os objetos durante o sonho. Pois durante um sonho lúcido, apesar da pessoa se sentir em um determinado ambiente, uma boa olhada em volta mostra que tudo está diferente e fora do lugar. "E até mesmo aquele armário onde a carta foi deixada desapareceu". Isso é normal, é assim que os sonhos são construídos.
O que nos trás a sensação de estar realmente em algum lugar. Além da expectativa de estar ali. É uma espécie de senso de localização que temos, e que é recriado durante o sonho e nos faz sentir: estou em tal lugar.  E para reforçar essa sensação, entra em cena a "incapacidade cognitiva" característica dos sonhos.
Um recurso do cérebro que permite que um sonho normal se desenrole sem que se perceba todas as anomalias gritantes e evidentes no ambiente de sonho. Incapacidade que mesmo durante um sonho lúcido, ainda está presente. Em maior ou menor grau, dependendo da capacidade de controle e experiência do sonhador.

Bom, após vários experimento repetidos, iguais ou parecidos com os que citei, e sempre tentando contornar as dificuldades. Percebi que se tornava muito mais fácil encontrar os objetos, quando ao invés de me guiar pelas informações visuais. Eu me deixava levar pelo senso de localização, pela memória e pelo tato. Como alguém que caminha pela casa a noite, sem acender as luzes.
O que me mostrou que de alguma maneira as informações táteis nos sonhos são mais estáveis e menos voláteis que as informações visuais. E que fugindo um pouco das distrações visuais, se torna mais fácil conduzir o sonho baseado na expectativa e na memória.
A partir daí. Toda vez que eu me tornava consciente durante o sono. Ao invés de usar técnicas para aprofundar o sonho. Eu me aproveitava daquele "vazio" inicial que existe antes do sonho se formar e ia rapidamente até o local onde havia deixado o objeto. E dessa maneira se tornou extremamente fácil encontra los.
Só que quando eu encontrava o objeto, ainda precisava "olhar" pra ele para conferir o naipe, no caso das cartas ou a quantia de pontos pretos no caso dos dados. E é aí que a inconsistência visual dos sonhos entrava em ação, me impedindo de obter um resultado objetivo com o experimento. Mas por outro lado tornando a experiência bastante divertida: Perdi a conta de quantas versões malucas de cartas e dados eu vi durante os sonhos lúcidos.  Até mesmo uma joaninha branca com pontinhos pretos andando em minha mão. Ah! e quadrada!

Outro dia lendo um texto do Coruja, que a certa altura falava sobre as sensações táteis no sonho...  Acabei tendo uma ideia para tentar otimizar o experimento: Construir um dado que possibilite conferir o resultado com o tato, sem que eu precise olhar pra ele. Sera que isso daria mais estabilidade aos resultados?   Bom, pra saber só fazendo...

Comentei com o Coruja e até combinei de fazer o experimento, mas por falta de tempo, até mesmo para os sonhos lúcidos. Só agora pude começar.
E o primeiro passo foi construir o dado: Cortei um cubo de madeira, de 4,5 x 4,5 cms. E os pontos, fiz com furos vazados que podem ser facilmente sentidos com os dedos. Usando a mesma configuração padrão de um dado normal.
Agora é só jogá lo em algum lugar fora da vista mas ao alcance das mãos...

Como todo sonhador lúcido sabe, demora um pouco até que nossos planos de vigília sejam completamente assimilados pelo pensamento consciente durante os sonhos lúcidos... E mesmo depois de afirmar a intenção de realizar esse experimento, Tive muitos sonhos lúcidos nos quais não consegui me lembrar dessa intenção.

Esse foi o primeiro resultado positivo... ou quase! Confiram:

Véspera de feriado de carnaval. Coloquei um cobertor na janela do quarto para bloquear a luz quando amanhecer. Pois como vou dormir tarde, o sono vai se estender por uma parte do dia. E entrar em sonho lúcido após um despertar, com o ambiente mesmo que semi iluminado fica quase impossível.

Fui dormir depois das 2:00 e após dormir sei lá por quanto tempo, despertei com minha esposa se levantando e saindo do quarto. Observei a escuridão por algum tempo... e então ouvi a voz de meu sobrinho chamando no portão da rua, em seguida a voz de meu pai... Pensei: Caramba não adiantou nada eu por o cobertor na janela. Alguém tinha que atender a porta... olhei pro lado e vi minha esposa dormindo?? Ooopa mais peraí, ela acabou de sair e não voltou!... Só então percebi que estava em um falso despertar, e já tratei logo de me levantar (mentalmente). Mas quando fui fazer isso percebi que as pernas estavam travadas. Isso acontece as vezes. Relaxei e comecei a esfregar as mão uma contra a outra e logo o movimento começou a fluir e fui levantando aos poucos. Saí do quarto, passei pela sala, atravessei a porta. E enquanto descia a escada até a rua me lembrei da intenção de não interferir muito na narrativa. Deixar o fluxo do sonho me conduzir... E essa lembrança trouxe à tona a lembrança da experiência com o dado... e como ainda estava escuro, imediatamente voltei correndo. E tomara que dê tempo, pensei. Atravessando as paredes pra ser mais rápido, fui até onde tinha deixado o dado. E o peguei, segurando o dado por cima, na posição em que o encontrei. Fui até a rua, procurando claridade para enxerga ló melhor?! ( Só depois de acordado fui me lembrar que o dado não era pra ser visto, e sim tocado!! É a tal incapacidade cognitiva da qual falei; burrice onírica!).
A rua estava clara, mas tudo tinha uma aparência estranha de areia? Olhei para o dado... a aparência de madeira e o tamanho estavam perfeitos, mas os furos... Um deles estava fixo em um dos cantos, mas outros dois apareciam e desapareciam em lugares diferentes... Pensei, vou considerar isso como 3, e memorizando isso, coloquei o dado em um canto qualquer, e aproveitei o resto do sonho, que agora não vem ao caso.
Quando despertei, depois de dois retornos consecutivos, olhei no relógio: 6:45.  E após refletir sobre a burrice que tinha feito olhando para o dado. Fui até o local onde tinha deixado, agora de verdade. E vi que tinha passado perto. Deu 4. O que não significa muito pois afinal, ao contrário das cartas, com o dado as chances de uma coincidência são maiores: 6 por !.

Agora é esperar o próximo sonho lúcido e ficar mais atento.


" Sonhe, pois o sonho nos trás o que a realidade nos nega."
avatar
Mensagens : 1191
Pontos : 4055
Honra : 670
Data de inscrição : 25/03/2013
Idade : 23
Localização : Morretes/ PR
Sonhos Lúcidos :
0 / 9990 / 999
Sonhos Comuns :
0 / 9990 / 999
Ver perfil do usuáriohttp://naturezaevolutiva.blogspot.com.br/

Re: Espaço Pessoal - Experimentos do Niro

em Qua Fev 18, 2015 3:24 pm
Que ótimo truque Niro, isso nos ajudará bastante se precisarmos encontrar algo no sonho para outros testes. Por exemplo: abrir uma gaveta para encontrar uma barra de cereal e assim sentir o gosto. Foi um passo bom esse teu.
É... Não deu dessa vez, mas, pode haver uma próxima, acho que quando comprar um dado, farei a mesma coisa. Abraços.
avatar
Mensagens : 1191
Pontos : 4055
Honra : 670
Data de inscrição : 25/03/2013
Idade : 23
Localização : Morretes/ PR
Sonhos Lúcidos :
0 / 9990 / 999
Sonhos Comuns :
0 / 9990 / 999
Ver perfil do usuáriohttp://naturezaevolutiva.blogspot.com.br/

Re: Espaço Pessoal - Experimentos do Niro

em Qui Fev 19, 2015 11:46 am
E aí Niro, tentei participar um pouco desse intento, segue abaixo o relato:
Dados:
Experimento - com dados - parte 1

Método: WBTB

Parte não lúcida:

Lembro de estar numa sala em L. Onde na parte mais curta da sala tinha uns computadores com umas pessoas mexendo e na parte mais longa eu e outras pessoas sentados em roda. Fazíamos uma peça teatral. O pessoal do computador procurava como fazer efeitos e nós em roda, ensaiávamos nossos papeis. Os atores que estavam comigo eram da Rede Globo, uma delas era Paolla Oliveira. E éramos todos amigos.

Lembro que no sonho meus amigos da faculdade ficavam surpresos de eu ter amizade com essas atrizes, eles perguntavam cada coisa... Eu tinha de ir para aula e parar meu ensaio. Pensei se me despedia de todos, mas, se o fizesse algumas atrizes podiam pensar que eu estava dando em cima, então achei melhor não e dei um tchau geral.
No caminho daquela sala para minha casa eu precisava passar a pé por uma ponte.

Parte lúcida:

Só que essa ponte é de minha cidade, e estudo numa outra cidade. Então o caminho de volta é feito de ônibus e pelo asfalto, nesse instante fico lúcido. Para ter certeza olhei as horas: era 14:30 (na vida real se começasse a aula na faculdade seria 14:40 por regras da instituição) mais um ponto para a lucidez!
Andando pela ponte penso em voar, mas, como ganhar altitude e velocidade?

Me jogo da ponte e dali pego impulso para cima, indo até a altura das arvores da região. Atravesso a ponte voando e pouso no outro lado. Lembro que Niro fazia experiências com sensações táteis e dados. Tento o mesmo.
Me aproximo de algumas folhagens do chão, sem olhar, e coloco a mão ali, procurando por um dado. Nada e nada, até que pego uma pedaço de plástico oval. Era um dado (para ser melhor o experimento, eu tinha de ter um para comparar os números, isso de hoje foi mais um piloto) oval.

Havia orifícios no dado. O lado em que peguei era 2. E surgem então, em volta desse dois, outros quatro orifícios e fica 6. Giro, vejo um lado com 4, outro com 5 (esse cinco os orifícios estavam em forma de curva) e noutro lado escrito D (ou C, não lembro) 27.
avatar
Mensagens : 2531
Pontos : 5726
Honra : 1044
Data de inscrição : 12/06/2013
Localização : Bahia
Sonhos Lúcidos :
0 / 9990 / 999
Sonhos Comuns :
0 / 9990 / 999
Ver perfil do usuário

Re: Espaço Pessoal - Experimentos do Niro

em Qui Fev 19, 2015 11:20 pm
Niro escreveu:

Niro escreveu:Já a algum tempo atrás, aproveitando de certa facilidade que tenho em iniciar sonhos lúcidos a partir de despertares (Deild).  Aquela modalidade na qual o praticante se levanta "mentalmente" de sua cama e sai pela casa. Iniciando o sonho lúcido, quase sempre nos arredores de onde mora.
Realizei vários experimentos, visando encontrar qualquer relação que fosse entre o mundo dos sonhos lúcidos e o mundo real.
Embora eu pessoalmente não acredite nisso. Essa relação entre os dois mundos é muito "desejada". Talvez nem tanto por sonhadores lúcidos, mas com certeza pelos praticantes das várias versões e interpretações digamos mais "místicas" do mesmo fenômeno (consciência durante o sono) que existem espalhadas pelo mundo.

Pretendo sempre que for possível, repetir esses experimentos, e postá los aqui.

Um desses experimentos, consistia em espalhar pela casa, objetos como cartas, dados. Obviamente sem ver os naipes. E após entrar em sonho lúcido ir até esses locais, conferir o naipe das cartas, ou no caso do dado, os pontinhos. Memorizá los e posteriormente, quando acordado. Analisar a possibilidade dos resultados oníricos coincidirem com os reais.

Após os primeiros experimentos, percebi que a maior dificuldade na verdade, era encontrar os objetos durante o sonho. Pois durante um sonho lúcido, apesar da pessoa se sentir em um determinado ambiente, uma boa olhada em volta mostra que tudo está diferente e fora do lugar. "E até mesmo aquele armário onde a carta foi deixada desapareceu". Isso é normal, é assim que os sonhos são construídos.
O que nos trás a sensação de estar realmente em algum lugar. Além da expectativa de estar ali. É uma espécie de senso de localização que temos, e que é recriado durante o sonho e nos faz sentir: estou em tal lugar.  E para reforçar essa sensação, entra em cena a "incapacidade cognitiva" característica dos sonhos.
Um recurso do cérebro que permite que um sonho normal se desenrole sem que se perceba todas as anomalias gritantes e evidentes no ambiente de sonho. Incapacidade que mesmo durante um sonho lúcido, ainda está presente. Em maior ou menor grau, dependendo da capacidade de controle e experiência do sonhador.

Bom, após vários experimento repetidos, iguais ou parecidos com os que citei, e sempre tentando contornar as dificuldades. Percebi que se tornava muito mais fácil encontrar os objetos, quando ao invés de me guiar pelas informações visuais. Eu me deixava levar pelo senso de localização, pela memória e pelo tato. Como alguém que caminha pela casa a noite, sem acender as luzes.
O que me mostrou que de alguma maneira as informações táteis nos sonhos são mais estáveis e menos voláteis que as informações visuais. E que fugindo um pouco das distrações visuais, se torna mais fácil conduzir o sonho baseado na expectativa e na memória.
A partir daí. Toda vez que eu me tornava consciente durante o sono. Ao invés de usar técnicas para aprofundar o sonho. Eu me aproveitava daquele "vazio" inicial que existe antes do sonho se formar e ia rapidamente até o local onde havia deixado o objeto. E dessa maneira se tornou extremamente fácil encontra los.
Só que quando eu encontrava o objeto, ainda precisava "olhar" pra ele para conferir o naipe, no caso das cartas ou a quantia de pontos pretos no caso dos dados. E é aí que a inconsistência visual dos sonhos entrava em ação, me impedindo de obter um resultado objetivo com o experimento. Mas por outro lado tornando a experiência bastante divertida: Perdi a conta de quantas versões malucas de cartas e dados eu vi durante os sonhos lúcidos.  Até mesmo uma joaninha branca com pontinhos pretos andando em minha mão. Ah! e quadrada!

Outro dia lendo um texto do Coruja, que a certa altura falava sobre as sensações táteis no sonho...  Acabei tendo uma ideia para tentar otimizar o experimento: Construir um dado que possibilite conferir o resultado com o tato, sem que eu precise olhar pra ele. Sera que isso daria mais estabilidade aos resultados?   Bom, pra saber só fazendo...

Comentei com o Coruja e até combinei de fazer o experimento, mas por falta de tempo, até mesmo para os sonhos lúcidos. Só agora pude começar.
E o primeiro passo foi construir o dado: Cortei um cubo de madeira, de 4,5 x 4,5 cms. E os pontos, fiz com furos vazados que podem ser facilmente sentidos com os dedos. Usando a mesma configuração padrão de um dado normal.
Agora é só jogá lo em algum lugar fora da vista mas ao alcance das mãos...

Como todo sonhador lúcido sabe, demora um pouco até que nossos planos de vigília sejam completamente assimilados pelo pensamento consciente durante os sonhos lúcidos... E mesmo depois de afirmar a intenção de realizar esse experimento, Tive muitos sonhos lúcidos nos quais não consegui me lembrar dessa intenção.

Esse foi o primeiro resultado positivo... ou quase! Confiram:

Véspera de feriado de carnaval. Coloquei um cobertor na janela do quarto para bloquear a luz quando amanhecer. Pois como vou dormir tarde, o sono vai se estender por uma parte do dia. E entrar em sonho lúcido após um despertar, com o ambiente mesmo que semi iluminado fica quase impossível.

Fui dormir depois das 2:00 e após dormir sei lá por quanto tempo, despertei com minha esposa se levantando e saindo do quarto. Observei a escuridão por algum tempo... e então ouvi a voz de meu sobrinho chamando no portão da rua, em seguida a voz de meu pai... Pensei: Caramba não adiantou nada eu por o cobertor na janela. Alguém tinha que atender a porta... olhei pro lado e vi minha esposa dormindo?? Ooopa mais peraí, ela acabou de sair e não voltou!... Só então percebi que estava em um falso despertar, e já tratei logo de me levantar (mentalmente). Mas quando fui fazer isso percebi que as pernas estavam travadas. Isso acontece as vezes. Relaxei e comecei a esfregar as mão uma contra a outra e logo o movimento começou a fluir e fui levantando aos poucos. Saí do quarto, passei pela sala, atravessei a porta. E enquanto descia a escada até a rua me lembrei da intenção de não interferir muito na narrativa. Deixar o fluxo do sonho me conduzir... E essa lembrança trouxe à tona a lembrança da experiência com o dado... e como ainda estava escuro, imediatamente voltei correndo. E tomara que dê tempo, pensei. Atravessando as paredes pra ser mais rápido, fui até onde tinha deixado o dado. E o peguei, segurando o dado por cima, na posição em que o encontrei. Fui até a rua, procurando claridade para enxerga ló melhor?! ( Só depois de acordado fui me lembrar que o dado não era pra ser visto, e sim tocado!! É a tal incapacidade cognitiva da qual falei; burrice onírica!).
A rua estava clara, mas tudo tinha uma aparência estranha de areia? Olhei para o dado... a aparência de madeira e o tamanho estavam perfeitos, mas os furos... Um deles estava fixo em um dos cantos, mas outros dois apareciam e desapareciam em lugares diferentes... Pensei, vou considerar isso como 3, e memorizando isso, coloquei o dado em um canto qualquer, e aproveitei o resto do sonho, que agora não vem ao caso.
Quando despertei, depois de dois retornos consecutivos, olhei no relógio: 6:45.  E após refletir sobre a burrice que tinha feito olhando para o dado. Fui até o local onde tinha deixado, agora de verdade. E vi que tinha passado perto. Deu 4. O que não significa muito pois afinal, ao contrário das cartas, com o dado as chances de uma coincidência são maiores: 6 por !.

Agora é esperar o próximo sonho lúcido e ficar mais atento.
Niro, essa sua experiência é muito interessante. Adorei a ideia de sair tateando as coisas nos sonhos sem olhar pra elas. Sem dúvida, isso deve aguçar mais e mais a nossa sensibilidade do tato e ampliar a intuição e visualização no sonho através do tato. També gostei muito da idéia do dado. Tanto que estou pensando em comprar um dado pra mim também. gargalhada

É muito empolgante essas suas novas experiências, Niro. Muito interessante mesmo. Parabéns! Continua compartilhando.certo
avatar
Mensagens : 16
Pontos : 1077
Honra : 5
Data de inscrição : 23/02/2015
Idade : 20
Sonhos Lúcidos :
1 / 9991 / 999
Sonhos Comuns :
2 / 9992 / 999
Ver perfil do usuário

Re: Espaço Pessoal - Experimentos do Niro

em Ter Fev 24, 2015 4:01 pm
Niro ainda não teve mais sonhos lúcidos para testar isso?
avatar
Mensagens : 197
Pontos : 2353
Honra : 144
Data de inscrição : 26/05/2012
Sonhos Lúcidos :
0 / 9990 / 999
Sonhos Comuns :
0 / 9990 / 999
Ver perfil do usuário

Re: Espaço Pessoal - Experimentos do Niro

em Qui Fev 26, 2015 12:02 pm
E ai Junior beleza? Então, de lá pra cá tive 3 sonhos lúcidos, mas nos 2 primeiros, percebi estar sonhando quando já estava dentro de um sonho. E como eu estava em lugares estranhos, não tinha como voltar pra casa. Na verdade nem me lembrei dessa intenção. Pois o desenrolar do sonho acaba nos distraindo.
Quando o sonho lúcido é iniciado através de Deild ou Wild, fica mais fácil se lembrar das intenções, pois não existe adormecimento consciente antes da lucidez. Você entra já sabendo o que pretende.
O terceiro foi hoje. E apesar de ter sido através de um Wild. Acho que demorei um pouco e o sonho acabou se formando muito rápido, antes que eu pudesse direcionar minha consciência para o local onde estava dormindo. E acabei de novo, indo parar em um lugar estranho. E apesar de saber que tinha alguma coisa interessante pra fazer se estivesse em minha casa. Não conseguia me lembrar de que se tratava.

Mas o dado está lá, me esperando. Quem sabe hoje.


" Sonhe, pois o sonho nos trás o que a realidade nos nega."
avatar
Mensagens : 197
Pontos : 2353
Honra : 144
Data de inscrição : 26/05/2012
Sonhos Lúcidos :
0 / 9990 / 999
Sonhos Comuns :
0 / 9990 / 999
Ver perfil do usuário

Re: Espaço Pessoal - Experimentos do Niro

em Seg Mar 02, 2015 9:59 am
Reputação da mensagem: 100% (1 votos)
Dado tátil
primeira experiência válida


experimento:
Jogar um dado próximo ao quarto de dormir, fora do campo de visão, mas ao alcance das mãos. Posteriormente iniciar  um sonho lúcido através de Wild ou Deild, ir até o dado sentir o resultado com os dedos, ao invés de olhar. Pois aparentemente através do tato fica mais fácil encontrá lo (a percepção tátil da estrutura do sonho parece ser mais estável, menos sujeita a flutuações que a percepção visual) Para isso construí um dado que pode ser sentido com os dedos.

Objetivos:
Analisar porque as sensações táteis nos sonhos lúcidos são mais consistentes, Mais ancoradas à realidade. E também buscar possíveis singularidades entre os resultados sonho lúcido/vigília.

Noite de sábado para domingo.  No final de um sonho comum entro em uma agência bancária e pergunto aos funcionários se eles tinham revestimento para me fornecer ( piso para chão)... Eles me olharam com uma cara estranha, e ao me tocar da pergunta idiota que eu estava fazendo.  Fiquei meio confuso sobre o porque de ter feito aquela pergunta.  Meio envergonhado, agradeci e fui saindo de fininho. A situação me fez raciocinar e acabei acordando.  Segundos após acordar, no escuro do quarto concluí que se continuasse no sonho, devido a estranheza do momento, teria percebido o sonho e me tornado lúcido.
Um zumbido estranho na cabeça me trouxe uma dúvida... Será que estou acordado mesmo?  Foi quando desconfiei que talvez estivesse em um falso despertar.  Sem demora me levantei.  Olhei pro chão vi chinelos e roupa jogada. Pensei, isso tá muito real. Fui até a sala e ainda sem saber se estava sonhando ou não. Resolvi conferir, tentando flutuar como um fantasma. Quando impulsionei o corpo no ar e flutuei por uns dois metros, aí sim tive certeza; estou sonhando!
Quase instintivamente, por um hábito já a muito enraizado, atravessei a porta e fui até a rua. E foi só nesse momento que novamente me lembrei do experimento com o dado. Pensei: tenho que voltar! quando me virei pra fazer isso, algo estranho aconteceu; voltei instantaneamente pra dentro de casa, mais exatamente na sala... Enquanto caminhava até o quarto, me lembrei de ter escondido o dado em outro lugar para que a moça da faxina não o encontrasse. Fui então até onde ele estava. A essa altura o ambiente não estava mais escuro pois um certo tempo havia se passado e o sonho já começava a se formar.
Pra não olhar para o dado virei o rosto, e pegando o mesmo com uma das mãos, passei o dedo na parte de cima...
Como os furos que fiz,  no lugar dos pontinhos são grandes, uns oito milímetros. Foi fácil perceber que se tratava do lado com valor 5. E a posição dos furos também estava idêntica à que fiz.  Aguardei alguns segundos... ainda sem olhar, repeti o procedimento pra verificar se haveria alguma mudança, e novamente tateei o dado. E o resultado foi o mesmo: 5 furos!  
Bom, beleza! recoloquei o dado no lugar, e retornei. Como teria que passar pelo quarto novamente, quando estava passando vi minha esposa sentada numa cadeira. Ela olhou pra mim, e com uma expressão neutra me perguntou: "Porque não posso ir com você quando você saí durante os sonhos?"
"Quem disse que não pode?" respondi. Dei um beijo nela e em seguida acordei...
...Olhei para o digital do relógio: 00:45. Fazia muito pouco tempo que eu havia dormido!

De manhã quando me levantei, assim que tive oportunidade fui até o local onde deixei o dado. Pra ver se o resultado "bateria" com o do sonho.  Peguei o dado e olhei pra ele...
No fundo, até os mais céticos têm um resquício de esperança de que alguma coisa a mais esteja envolvida!
Mas não foi dessa vez... O resultado deu: 1  Na vida real era o lado com "um furo" que estava virado pra cima!

Mas... Novos sonhos virão...


" Sonhe, pois o sonho nos trás o que a realidade nos nega."
avatar
Mensagens : 1191
Pontos : 4055
Honra : 670
Data de inscrição : 25/03/2013
Idade : 23
Localização : Morretes/ PR
Sonhos Lúcidos :
0 / 9990 / 999
Sonhos Comuns :
0 / 9990 / 999
Ver perfil do usuáriohttp://naturezaevolutiva.blogspot.com.br/

Re: Espaço Pessoal - Experimentos do Niro

em Qui Mar 05, 2015 10:58 am
Foi um ótimo experimento Niro, acredito que também deve ter sido bom flutuar esses metros, você contou o sonho muito bom e fui capaz de me imaginar nele. Já teve um resultado né, as duas vezes que você conferiu deu o mesmo número, não foi dessa vez que bateu com a vida real, mas, quem sabe na próxima. Essa parte de sua esposa é bem interessante e merece muita atenção, e analise. abraços.
avatar
Mensagens : 197
Pontos : 2353
Honra : 144
Data de inscrição : 26/05/2012
Sonhos Lúcidos :
0 / 9990 / 999
Sonhos Comuns :
0 / 9990 / 999
Ver perfil do usuário

Re: Espaço Pessoal - Experimentos do Niro

em Qui Mar 05, 2015 6:54 pm
Reputação da mensagem: 100% (1 votos)
Valeu Emerson, Ramon e juniorfaro.

Esta noite tive a oportunidade de repetir o experimento.

Me desculpem, mas por falta de tempo, e também por discrição vou postar apenas a parte relacionada com o experimento.

Durante o dia, coloquei o dado em uma caixa de papelão, aproximadamente do tamanho de uma caixa de sapatos, coloquei a tampa. E depois de agitar bastante coloquei a caixa em cima de um armário alto e retirei a tampa da caixa. De forma que para saber o resultado eu teria que "tatear" a parte de cima do dado. Só que não vou fazer isso agora. Só de madrugada durante o sonho lúcido.
Pra quem não leu, quero lembrar que construí esse dado com madeira 4,5 x 4,5 cm e nos lugar dos pontos, fiz furos mais ou menos do diâmetro de um lápis...

Método: Uma versão pessoal de Wild, após um despertar espontâneo.

Após aguardar umas 4:00 hs de sono me preparei para o próximo despertar...

Quando despertei. Deveria ter permanecido imóvel e de olhos fechados (Deild)  Mas quando percebi já tinha me virado pro outro lado e aberto os olhos... Tudo bem! Vou de Wild. Fiquei imóvel, relaxei e comecei a fazer movimentos mentais com as mãos e braços... quando os movimentos começaram a fluir e ficar reais, percebi que já dava pra levantar.
Como eu tinha me virado para o lado contrário, foi um pouco díficil "destravar" mas aos pouquinhos e sem ansiedade, consegui me levantar. Sempre focando em fazer apenas movimentos mentais. ( nesse momento, quando o sonho ainda está muito superficial. E o processo de atonia pode ainda não ter se completado, é comum que a distinção entre movimentos mentais e físicos fique meio confusa.)

Quando estava me levantando já me lembrei da intensão de verificar o dado.  Ainda no escuro, fui até o armário, levantei a mão e de cabeça baixa, sem olhar,senti o canto do armário, a caixa... E em seguida comecei a tatear o dado... um por um, primeiro encontrei os quatro furos dos cantos, depois levei o dedo até o centro... e lá estava o quinto furo! caramba! pensei, deu cinco de novo! na experiência anterior já deu cinco! Tudo bem, memorizei o resultado, deixei o dado onde estava. Saí do quarto... da casa... e como não sou bobo nem nada fui aproveitar o resto da lucidez...

Bom. De manhã, assim que acordei a primeira coisa que fiz foi, discretamente, ir até o dado e conferir o resultado...

E acreditem!! Deu cinco??  

Eu estaria mentindo se dissesse que fiquei impressionado. Pois na verdade acredito que foi apenas coincidência.

O que me impressionou de verdade é o realismo das coisas no sonho lúcido quando nós usamos apenas a percepção tátil.
O ambiente ao qual estamos acostumados parece muito mais exato. do que quando usamos a visão. É impressionante!

E essa facilidade tátil de materializar os objetivos, me deu uma outra ideia. Também relacionada ao tato.
Vou tentar hoje a noite. Se funcionar amanhã eu posto.

Um abraço.


" Sonhe, pois o sonho nos trás o que a realidade nos nega."
avatar
Mensagens : 1191
Pontos : 4055
Honra : 670
Data de inscrição : 25/03/2013
Idade : 23
Localização : Morretes/ PR
Sonhos Lúcidos :
0 / 9990 / 999
Sonhos Comuns :
0 / 9990 / 999
Ver perfil do usuáriohttp://naturezaevolutiva.blogspot.com.br/

Re: Espaço Pessoal - Experimentos do Niro

em Sab Mar 07, 2015 9:11 am
Olha só, já é um dado (de estatística não um físico). Muito bom o experimento e bem simples de se fazer. Agora foi curioso ter caído nos dois sonhos 5, isso já indica outras coisas, como o que em tua vida que acaba expressando o 5, e se for algo pessoal, pode mudar de pessoa para pessoa. Assim que eu comprar um dado, coloco isso a prova também. Abraços.
avatar
Mensagens : 197
Pontos : 2353
Honra : 144
Data de inscrição : 26/05/2012
Sonhos Lúcidos :
0 / 9990 / 999
Sonhos Comuns :
0 / 9990 / 999
Ver perfil do usuário

Re: Espaço Pessoal - Experimentos do Niro

em Sab Mar 07, 2015 12:08 pm
Então Emerson estou bastante curioso pelo fato desta tendência para o  resultado cinco. Penso que talvez seja pela disposição geométrica deste lado do dado. No lado cinco os furos são distribuídos de maneira
mais homogênea. E como eu acredito que muita coisa no sonho é criada a partir de nossas expectativas. O fato de eu percorrer o dado com o dedo, nos lugares onde poderiam haver furos... Talvez só essa expectativa de haver um furo ali, já faça com que ele apareça. Sei lá?

Bom, vamos ao sonho lúcido de hoje.

Após perceber um despertar, ou um lapso de sonho, não sei. Ouvi uma voz sussurrar meu nome bem baixinho?! Tentei ignorar e  botei em prática os procedimentos para um Deild...A voz sumiu, e em pouco tempo me levantei da cama (mentalmente) e automaticamente me lembrei de ir até o dado. Que já estava lá me esperando, numa posição desconhecida. Só que quando eu estava a uns dois metros da cama... subitamente fui sugado de volta e acordei... A lembrança do sussurro me tirou a concentração e não consegui fazer o retorno consciente ao sonho.
Após dormir de novo, no despertar seguinte tentei um Wild e fui bem sucedido... De novo! Me levantei fui até o dado. Pensando: Dessa vez não posso acordar... Levei a mão até ele, e tateando novamente encontrei o cinco!! De novo?  Eu parecia incerto e confuso quanto ao resultado. Devido a posição difícil. Então resolvi, ainda sem olhar, tirar o dado de lá com uma mão, e verificar com a outra... e aí encontrei seis furos. Bom, tá valendo, pensei. Botei o dado no lugar, memorizei e fui até a rua tentar um outro experimento que pensei no outro dia:

Já que parece ser mais fácil encontrar coisas quando se elimina a distração visual. E se aquele dado (no mundo onírico) está lá só porque eu acredito que vai estar.

Será que eu poderia encontrar personagens de sonho, Congelando (memorizando) um momento no tempo. próximo a minha casa, e depois voltando ali durante o sonho consciente. No mesmo cenário, no exato memento?

O que fiz: (ontem)

Parei, durante a tarde, próximo a minha casa, e por alguns minutos fiquei observando o cenário: Os carros que vão e vem... as pessoas que passam, entram e saem apressadas...  ( eu acho que nós, definitivamente, não somos normais! kkkk)  ...E num momento de minha escolha, imaginei como se tivesse tirado uma foto. Congelando mentalmente aquele exato instante. E memorizando os(as) detalhes mais importantes... E disse pra mim mesmo: Hoje a noite, vou vir aqui durante o sonho. Neste exato instante!

...Continuando o sono então...  

...Já na rua, ainda de olhos fechados e cabeça baixa ( uma maneira de evitar a formação de imagens, e consequentemente distração)
Comecei a caminhar pelo "momento" onde eu me imaginava. Procurando confirmação pelo tato.  Não foi tão fácil como imaginei. "Detalhes" não constavam do cenário. Mesmo no escuro eu tinha noção de onde estava, então resolvi abrir os olhos, deixar o sonho se formar... E embora essa parte do experimento não tivesse funcionado, essa foi uma noite proveitosa. Um sonho lúcido muito longo, com dois retornos consecutivos.  
Quanto a congelar o tempo. Eu ainda não desisti, vou tentar de novo, dessa vez com mais foco.

A! Ia me esquecendo de dizer, de manhã quando acordei, fui até o dado verificar: Deu 1, um furo.

Um abraço


" Sonhe, pois o sonho nos trás o que a realidade nos nega."
avatar
Mensagens : 122
Pontos : 1833
Honra : 40
Data de inscrição : 29/08/2013
Idade : 22
Localização : belem - Para
Sonhos Lúcidos :
999 / 999999 / 999
Sonhos Comuns :
0 / 9990 / 999
Ver perfil do usuário

Re: Espaço Pessoal - Experimentos do Niro

em Qua Mar 11, 2015 3:28 pm
Olá Niro, achei interessante seus experimentos, uma coisa notável é o uso de Propriocepção nos seus sonhos, bom para quem não sabe o que é isso é a capacidade em reconhecer a localização espacial do corpo, sua posição e orientação, a força exercida pelos músculos e a posição de cada parte do corpo em relação às demais, sem utilizar a visão. Este tipo específico de percepção permite a manutenção do equilíbrio postural e a realização de diversas atividades práticas. Resulta da interação das fibras musculares que trabalham para manter o corpo na sua base de sustentação, de informações táteis e do sistema vestibular, localizado no ouvido interno(...) - Wikipedia.
Eu usava isso bastante e ainda uso, me ajudou e muito a aprofundar meus sonhos e de quebra me ajudou a lembra-los mais, além de servi para os detalhamentos do que continha no sonho, passei a desenvolver também uma habilidade de me fazer parte do próprio sonho como se cada coisa estivesse conectada em mim, assim eu conseguia um nível de detalhamento maior nos sonhos.
e é fácil implementa-la tanto nos nossos sonhos quanto na nossa vida mesmo, tem diversas finalidades procurar desenvolver essa capacidade.


"Sonhar é a maior sensação de liberdade"

link do grupo de sonhos lúcidos no WhatsApp https://goo.gl/bWfvtc
avatar
Mensagens : 197
Pontos : 2353
Honra : 144
Data de inscrição : 26/05/2012
Sonhos Lúcidos :
0 / 9990 / 999
Sonhos Comuns :
0 / 9990 / 999
Ver perfil do usuário

Re: Espaço Pessoal - Experimentos do Niro

em Qua Mar 11, 2015 4:50 pm
Muiiito boa sacada Deloam!

Se não tivéssemos esse Gps/giroscópio/acelerômetro interno. O sonho lúcido não seria possível.

E a propósito, para quem pratica Wild, é exatamente o uso da propriocepção que produz a ilusão de "sair do corpo".

-Pois sua memória consciente sabe que seu corpo esta deitado e dormindo.
-Mas ao mesmo tempo a sua propriocepção diz que seu corpo está de pé e caminhando pra longe do corpo!

Nasce nesse momento um paradoxo, que deixa ao cérebro uma única conclusão lógica totalmente sem lógica: "A mente está fora do corpo".

E o nosso querido pacote de massa cinzenta, que está acostumado desde criança que "pau é pau e pedra é pedra". E que gente não atravessa parede e nem sai do próprio corpo. Entra em conflito.
E pra voltar pra zona de conforto, vai tentar de alguma maneira remendar essa anomalia. Gerando a implacável "resistência psicológica ao sonho lúcido". Já observada por Laberge nos anos 30 (se não me falha a memória).

Que faz com que a consciência durante o sono. Algo tão fácil de ser conseguido e administrado. Infelizmente pareça tão difícil pra tanta gente.

Um fato interessante. E que de certa maneira comprova essa ilusão. Pode ser notada pelos praticantes de Wild que preferem usam a opção: "se levantar imaginariamente do próprio corpo" ( o meu caso)

Se trata do seguinte:
Quando se desperta de um sonho lúcido estando ainda dentro de seu quarto. Se tem a sensação clara de ser "sugado" de volta para o corpo físico.

Mas, se você despertar após de distanciar bastante. Vai ter simplesmente a sensação de "despertar"

E como a consciência de percepção é universal. O mesmo fenômeno pode ser observado na ótica.
Um jeito genial de enganar o cérebro mudou o mundo e nos deu o cinema:

Se for apresentado um quadro a quadro a uma velocidade específica, com o personagem em posições próximas, vai se ter a ilusão perfeita de movimento!

Mas se o mesmo quadro a quadro mostrar o personagem em posições deslocadas e distantes. A ilusão simplesmente deixa de existir.


" Sonhe, pois o sonho nos trás o que a realidade nos nega."
avatar
Mensagens : 1191
Pontos : 4055
Honra : 670
Data de inscrição : 25/03/2013
Idade : 23
Localização : Morretes/ PR
Sonhos Lúcidos :
0 / 9990 / 999
Sonhos Comuns :
0 / 9990 / 999
Ver perfil do usuáriohttp://naturezaevolutiva.blogspot.com.br/

Re: Espaço Pessoal - Experimentos do Niro

em Sab Mar 14, 2015 9:06 am
É, o 5 pode ser por isso, mas depois, sua forma foi reforçada pela expectativa e cada vez mais que se repetia se reforçava, mas, como você se negou te veio um 6. São dados bem interessantes porque pelo que li mostra um pouco do quanto nosso estado mental influi no inconsciente.

Abraços.
avatar
Mensagens : 197
Pontos : 2353
Honra : 144
Data de inscrição : 26/05/2012
Sonhos Lúcidos :
0 / 9990 / 999
Sonhos Comuns :
0 / 9990 / 999
Ver perfil do usuário

Re: Espaço Pessoal - Experimentos do Niro

em Sab Mar 14, 2015 2:39 pm
Então Emerson, já tenho outra experiência anotada. Com um resultado meio inusitado. Assim que der eu posto.
Valeu!


" Sonhe, pois o sonho nos trás o que a realidade nos nega."
Conteúdo patrocinado

Re: Espaço Pessoal - Experimentos do Niro

Ver o tópico anteriorVoltar ao TopoVer o tópico seguinte
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum